CINEMA,QUADRINHOS E TV

sábado, 27 de outubro de 2018

Anamneses

EU SEI
eu sabia

EU TENHO
eu tinha

EU ACREDITO
eu acreditava

EU DECIDO
eu decidia

EU SUPERO
eu não...


EU ME PROTEJO
alguém me....
..
EU SOU JOVEM
meu espírito ainda é...


EU CONSIGO
eu...eu...
eu...





By Santidarko








-------------------------------------------------------------------------------------------------------------

anamnese na filosofia=filosofia platônica, rememoração gradativa através da qual o filósofo redescobre dentro de si as verdades essenciais e latentes que remontam a um tempo anterior ao de sua existência empírica.

by internet e  Wikipédia

A Casa No Limbo-O Além Em vida

Amádia Gumano




Quando a Solar Amádia obteve seu conscrito da vitalidade sobre o tempo mortal,seu Coração alinhou-se ao Eclipse Toráxico e não mais se ausentou.
Sua Ataraxia;sumira,

Um visitante que nos surpreende com seu chegar e logo o tornamos nosso membro cotidiano.
Reclamamos da falta de nossa privacidade e não mais suportamos sua partida ao nos deixar a esmo"no escuro do amanhã".
Sua sinapse,não mais envolvia a todos com sua luz do saber e do lutar...,a escuridão,irradiara até sua Alma.
Ter o espírito ferido,amargurado ou desacreditado;ainda existem  possibilidades de cura...,
...mas a Alma...
...ter seu tecido rasgado pela depressão interna e do exterior julgar,consome o corpo que já sofrera com á espera do final prescrito.
A máquina que irá falhar,cedo ou tarde.

Abomina a completa escuridão e a LUZ libertadora.
O Limbo,é sua Morada de certezas e convicções.
Autoextermínio,não é uma Fuga digna ou segura.
O Cinza,é sua alegria em uma triste e feliz lembrança.
MAS,para TODOS,chegará o Lidar.
O Digerir.
No limbo,também podemos plantar e sermos metade do que somos um dia.
Lá,também poderemos ser lépidos.


By Santidako

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Heliundes ‡

Do desejo negado
subtraído

o alcançar de um saber ou degustar
impróprio de sua Alma Destino

A curta sorte da encarnação
escrita

Do Amor ou uma singela riqueza
esquecida
o superior anseio




Heliundes
lhe dará seu partilhar ofertado
oferecido
dividido





By Santidarko

Nígina Sérveras-A Necromânciana

Nígina Sérveras ou Vulgo 'a Necromânciana',chegou ao Brasil com seis anos de idade.
Sua Mãe,Kivanna Sérveras(*pronunciado:KÍvanna),saiu de Zinski,na Ucrância, para tentar a sorte na terra do abrasador.
Abrasador,segundo Kivanna,era o Sol vigente que tutelava seus Habitantes.
-"Tão aquecido quanto ao caldeirão de Heliundes"

Heliundes,uma entidade que anda de "mãos dadas" com Deus e tem seu olhar sobre seus ombros ao Diabo.
-Deus,em sua estrada Cintilante e equânime,não chama os caduciados(*vencidos)pela curiosidade das inclinações; do desejo espiritual e Carnal:a retomar o segurar de suas Mãos.




Caduciadas



árduo tilintar que pronunciou a dissolução
do cândido obséquio


ávido Negro que colocou esperança em pratos quebrados
Estrela em declive
que me deste o erupcionar do querer e recusar

Em um Mundo de Vitrines e amostras reluzentes
fragmentei o vidro pela sobrevivência
 pela Alma
pelo escambo da Necessidade


Tenho o batizado Negro na Iluminação
a iluminação batizada no obscuro

o intermédio
segue meu olhar


Aos que não escolheram em vida
os clamo a escolherem após seu descansar impróprio
não desejado





Personagens by Santidarko

terça-feira, 23 de outubro de 2018

Arthur Téfano-O Túmulo Senil

Todo jovem,após ao término de suas Palestras diárias,aulas;apreciam ir a Shoppings,namorar perto de grupos que iniciam uma tribo local;momentânea,a do dia...,ou simplesmente...,almoçar em algum lugar com garotas e garotos de outros colégios.
Arthur NÃO.
Gostava de perambular sozinho por alguns Cemitérios antes de chegar em sua casa.
Ler seus quadrinhos sentado á sombra de uma "bela árvore"e beber um pouco de vinho.
O que não era de uma total aprovação;também fumava alguns cigarros.


Algares(*catacumbas,covas)em determinados Lugares,são obras de Arte.
Os detalhes das estátuas,o traço artístico,...as referências de técnicas aplicadas no decorrer das Eras.
Na há contradição na beleza empregada aonde o dinheiro familiar viabilizou.
Téfano,ao concluir o colegial,almejava estudar Arquitetura.
Tinha em Mente,inserir aspectos Góticos em seus projetos.Pequenos traços na idealização da Planta.
Nada muito"gritante"...,mas algo em minuciosidade.
O pormenor para quem realmente prestasse atenção em detalhes.
Ir a Barcelona após concluir seu curso,seria sua maior inspiração para com seus planos.
Arthur não trajava ou "ostentava" vestimentas Góticas.Como descrito,particularidades simples.
Um livro portado,filmes e/ou menções pessoais,conhecimento ao observar a obra de um artista...,citações...
A propósito,seu padrão de comportamento comedido sobre seu entusiasmo,mesmo assim,chamou a atenção de Góticos que em uma desses passeios,também usufruiam do local.
O Cemitério.
Os "Finórios Cemiteriais",como autoproclamavam-se.
Nesse início de tarde,apenas dois dos membros estavam"á espreita"da presença de Arthur.

Em um final de semana,Arthur resolvera ir á noite no Passadiço(nome do Cemitério).
Sentir"o clima"...;os medos,os pensamentos que iriam se sobressair.
Pulou o muro e andou por alguns metros.
Os Finórios Cemiteriais,estavam lá. AGORA,com todos seus"associados".
"Em cima"de um Túmulo.
Olasco e Mahasiah,os líderes do grupo,o convidaram a se juntar em sua especial celebração.
A música,as velas e, o cantar com uma guarrafa de vinho em uma das mãos de um componente,alertou Arthur de uma possível descoberta do vigia.
Mahasiah,dissera que referiria a seu Pai.
Privilégio Pessoal.
Com Arthur,eram em cinco.
O casal Mahasiah e Olasco,os líderes,e Balzária e Colomus.
Irmãos.

A Lua iluminava o cemitério como se fosse um acolher especial.
Após inúmeras conversa,risadas e confraternizações,o grupo resolvera mostrar a Arthur,um lugar"especial".
Um túmulo que se"expressava".
Ao ser levado á blasfêmia da lógica,Arthur se deparou com um jazigo simples.
Pobre ao se comparar com muitos outros.
Não possuía inscrições Familiares ou detalhes elaborados.Por menores que fossem.
Aliás,alguns tijolos,estavam á vista.O cimento estava se despedaçando.

Ao questionar aos seus novos"amigos",o que de tão incomum houvera alí,subitamente foi aferido ás atenções de poucos.
Á razão que tivera de ter sua sazão.
Norinda Cristica,leu Arthur ao atentar seus olhos a uma Cruz de madeira em deterioração.
Pendia ao flanco casual do tempo.
De repente,Olasco solicitara silêncio a todos.Acende uma vela e a coloca em cima da sepultura,
Clama aos integrantes,dedicação.Especialmente a Arthur.
Arthur começa a ouvir sussurros e um resmungar ilógico.Algo como que os idosos senis que perambulam em locais públicos e não determinamos o que fora proferido por eles quando passam ao nosso lado e temos seu olhar e dizeres.
Arthur,cai ao chão ao tentar dar um passo para trás.Tropeçara em um desnivelamento da terra.
Alguém com surpresa e um assombro cerebral,jamais se atentaria no:aonde pisar.
Os cuidados em um ambiente auxiliado com pouca iluminação.
Claro,poderia contar com as iluminação do"corredor principal"do Passadiço ...se precisasse correr.
Afoito e desinibido ao pensar alheio.
Mas,aonde permanecera,contava com a luz da vela e da Lua.
A primeira reação de Arthur ao se levantar,foi a negação para com seus ouvidos.
Ao racional á sua volta.Do senso.
-QUEM FORA,FORA.
-NÃO HÁ CONHECIMENTOS DE VOLTA OU PERAMBULAÇÕES.


-Se recomponha e ouça o que ela tem a dizer a você;dissera Olasco.
Mesmo Olasco o puxando para perto do túmulo,Arthur sinaliza uma negação voraz com sua cabeça e se desvencilha de suas mãos..
Mahasiah,quase consegue o agarrar pelo colarinho de sua camisa...mas Arthur,se comporta como um Felino Selvagem.
Arthur parte em Fuga.

Norinda,havia sido uma noviça que morrera muito cedo.Tinha apenas vinte e três anos quando deixara o plano Terrestre.
Se tivesse algum Dom mediúnico,assim como Olasco e Mahasiah,perceberia que não se tratara da campa em si,abafando seus dizeres;mas Norinda em pé ao seu lado tentado lhe dizer algo.
A alguém que não possuí uma sintonia com o espiritual.Que interpreta mensagens como interferências de locuções.
Enganações mentais e ambientais

Mas,Olasco,ainda tentou correr até Arthur.Lhe entregar a mensagem.
Arthur correu como se fosse o filho do Vento.Um Mercúrio Mortal.



A Mensagem era:-Vá ao médico o mais breve possível,amanhã,seria um triunfo da chance.A Doutora Salute,viajará.
Apesar de sua idade,ela lhe dará mais tempo









By Santidarko


segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Sangrinires

Vampira que usa duas Botas Brancas até á altura dos Joelhos.Um detalhe peculiar que denota-se...,uma marca de batom em vermelho(beijo);na ponta de seu pé direito.
Usa um sobretudo vermelho(na altura de sua quadríceps femoral)com um forro Negro.

Calças Jeans bruscamente"Fendada"(rasgada) nas coxas(frente e verso).
Uma gargantilha Dourada com pequenas cruzes inversas(Diamante)e um Top Feminino em formato de Pentagrama(invertido),um cinto com pequenas bolsas no quadril(duas na frente e duas em cima  dos glúteo);,completam sua vestimenta.

Cabelos Negros(sempre com Rabo de cavalo)e Olhos verdejantes  seivosos.





Personagem by Santidarko

Hominis Nosferus Imortalis/Demo Nosferus




Vampiro,Vampir,Nosferatu,Calegiano,nocte daemonium,bibere sanguinem,sanguinem vita,Hominis sanguisugae,cibum Demos





By Santidarko

domingo, 21 de outubro de 2018

Na Artéria da Noite-Os Coligidores

O que o Ser Humano mais deseja em vida;muito além de joias,casas magníficas,carros possantes,Iates,viagens a lugares espetaculares,objetos exclusivos de Arte,em suma...;é outro Humano.
O intento razão...,qualquer intelecção pessoal.
Próprio.
Talvez,á primeira vista,isto seja relativo a você,mas,o Ululante comércio secreto que acoberta os"Coligidores"(*vide Coligir)da noite,lhe fará repensar seu intelecto moldado.
Em grandes cidades,moderadamente em pequenas,existe uma espécie de Van que sequestra crianças,jovens e, adultos até os cinquenta anos.
Suprem o comércio de pedófilos,órgãos,cobaias de experimentos particulares ou "encomendas pessoais".
Biotipos ilimitados ao solicitante.
Sempre a esmo pela cidade.Á procura.
Uma vez entregue em um galpão"acobertado",o comprador deve pagar a"outra metade da compra"; de seu pedido.
Devidamente anestesiado.
Dormente.
Os Quebra-Nozes,como também são chamados os Coligidores,com máscaras de Esquilo,garantem que"seu pacote",seja entregue em sua casa com"segurança".
Que você não cometa alguma besteira...,idiotice;que os entregue ou os delate.

Olívia Ferrardi,chegou á cidade de ônibus..
De madrugada.
Sozinha.
Andou a pé na noite fria e deserta com sua mochila até o local de um Hotel indicado na rodoviária.
Estava com pouco dinheiro para ser taxiada.


Pobre Olívia.



Qual o critério que a fez ser escolhida no doentio catálogo em seu pacato trajeto?
Simplesmente azar noturno?
Quem a comprou e o que faria com ela?
Como escaparia dessa noite atroz?




Rascunho de conto e sinopse
By Santidarko

sábado, 20 de outubro de 2018

Amóridos-Caligianos


Dizem,os Humanos;que Caligianos(*provindos da Caligem),não têm o bater Cardíaco em movimento após o renascer.
Pura incorreção.
O Músculo,agora reestruturado,mais vigoroso,bate em um Ritmo desigual aos Humanos ou qualquer Ser Mortal.
O Estômago,também conjuntamente maioral na distribuição de energias ao novo sistema regenerativo... a um corpo e cérebro imortal.
Que não mais envelhece a partir dos vinte e cinco anos de idade.
TRISTE PESAR HUMANO.
...sumidade muito mais vibrante..,coeso e inteligível para com o nosso redor.
Eis o desígnio óbvio do novo engenho Nosferatu sob o tórax.


O além-túmulo,pode não ter nos deixado o folclore de se sentir o amor sob o arcabouço ósseo;para com os Humanos,ou para com mortos-vivos...
...mas ainda... sentimos...o lascivo desejo.
O júbilo da pele e da fricção dos movimentos.



by Santidarko

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Augusto Feloni-A Árvore dos Raios

Incessantemente emurado das conversas secretas do Mundo.
Constantemente desvanecido da elevação fálica imotivada do oposto
Severamente oferecido aos inimigos pelos amigáveis apertos de mãos.

"Represado"de festividades anuais
Julgado antes do esclarecido
cambiado por favores sustados entre seus desiguais


Feliz ao fechar a porta de sua casa ao chegar no final do dia.







by santidarko

São Palomino-O Santo Protetor De Vampiros/ Nosferatus(Oração Romena)

Nascido no vilarejo de Brasanov,Romênia,lutou contra a"infestação"desenfreada que acarretou seu povo no século 19.
Atanase Slavic Palomino,era um aldeão"simples",encetou os Habitantes de crenças Midievais,credos descabidos sobre Bruxas e rituais que se referiam a experimentos científicos de residentes evoluídos intelectualmente,para com Mito Real de Vampiros.
Primitivamente chamados de Morcegos Humanos.
Brasanov,era uma espécie de"Taba"ocultada pelas Montanhas da Romênia;panorama de relatos ou Fatos,desfavoravelmente assomavam a eles.
Confrontou os Mortos-vivos com a Cruz de Lorena."Sua Marca"nas pregações que propendia o esclarecimento aos colonos montanheses.
Peregrinou contra a Prole da Vlad até o fim de seus Dias.Pego em desvantagem;quando foi acometido por uma forte Gripe que o incapacitou de um revide oratório e de luta contra Calidines.Uma vampira que o perseguira após sorver sua mulher e filha em sua frente.Antes de se regenerar,Calidines perdera seu braço ao ser alanceada pelo machado de Palomino.




São Palomino,vós que lutais contra os predadores da escuridão
dai -me o Retros da afronta em Teu Nome
rogue-os á desgraça do fogo e ao brilho de Lorena
guarneça meu sangue límpido das presas do impuro
do Nefasto
Trazei a Mim
a força da Estrela da Manhã
Não me deixes ser o Alimento Do Mal
De minha Carne á Carne dos que não mais vivem em comunhão Humana
São Palomino
em ti eu me escoro no momento de minha escolha impróspera




Personagem by Santidarko

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

A Casa Dos Malefícios-A Residência Dos Forasteiros

Muitos,acreditam que em uma moradia aonde houvera algo Hediondo,malévolo ou destrutivo ás menções Humanas,poderá ser equacionada com alguma reforma.Um esquecimento bilateral(vendedor e/ou comprador) para com o ocorrido,ou o melhor;a demolição de suas paredes que outrossim ,ainda seriam"testemunhas caladas"dos detalhes.sórdidos até o desfecho de sua tragédia.
Ledo engano àqueles que têm seu fiar-se nessas conclusões ilusórias ou protetivas.
Crenças descabidas ou folclores urbanos,podem salvar sua vida.

Sua integridade Espiritual...;
ao meu ver,a única com cicatrizes ou feridas ocultas;benévolas ás sequelas de um acidente físico.
Mas,nem sempre o que está encoberto aos olhos de outrem,é súpero á perspectiva de um convívio social comum.
Um "véu"para seu EU interno conseguir ir adiante.A lugares coletivos de recreação.
O luzente;é falso.
É maquiado ou "ensaiado".
Fantasmagóricos,querem sua vida de volta,o que lhes pertenciam antes de seu desprender corpóreo.
Almejam seu retorno,mesmo que em prospectiva dos residentes.

-O que acontecerá no cotidiano Terreno?;no Futurológico de meus bens materiais apreciados em vida?

Ser um Dono forasteiro,sofrer estratagemas em seu próprio Leito,não aparenta ser o melhor feito do:resistir.
Com o tempo,o lugar ansiado por eles,se tornará algo dispensável;sua vida e Luz interna,provocará uma cobiça maior do que outrora despertara aos incorpóreos.

SAIA.







by Santidarko

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

O Caça-Dor





O Padre Maximilian Joyce,demonstra ser o portador de um ranço insuperável.
Um Hospedeiro do Mau humor e de uma austera Face.
Uma metanoia de seu"chamado"aos dias de hoje...,cansaço da rotina ou de suas palavras proferidas"ao vento"?.
QUEM SABE?

Colocações e"encaixes"como estes em conversas entre os paroquianos;é"desembainhar"algo quando falta argumento
ou quando falar do tempo,se torna algo repetido após alguém já o ter observado em pequenas rodas de conversas.
Mas perante ao Padre Maximilian,somente são pedidos de bênçãos e agradecimentos.
Convites.Dos mais diversos.

As crianças...?
Essas não têm porque mentir ou ser sociáveis."Verdades"ou que escutaram de seus pais,já foram ditas sem qulquer pudor ou receio perante ao Padre.
Os Adolescentes ainda mantêm a prerrogativa do medo.
Se alguém com"poder"Divino,ou o escolhido para estar alí;-rogar algo contra você,peça aos Anjos,que lhe cubra com suas asas da ira de Joyce.
Mas um enunciado que poder ser dito,sem qualquer constatação errônea ou duvidosa;É UM HOMEM DE VALORES ÉTICOS E MORAIS.
Com seus cinquenta anos de idade,em sua trajetória contínua,ou seja,nunca afastado ou transferido por alguma justificativa,injúria ou um"hastear"de erro defronte ao seu rebanho,foi apresentado em seu nome.
Inimigos,todos os seres vivos possuem,políticos ou um ciúme quanto a um porte físico de alguém que se exercita ou foi agraciado com a"observação de olhos femininos".
O Padre além desses,possuía uma  herança familiar.Abastado desde o berço.
Para algumas,ser"a mulher do Padre"após o largar de batina,seria uma honra e sorte.
Mesmo as casadas,tinham o"suspirar".

O que ninguém observava ou desconfiava,é que Joyce...,tinha"serviços noturnos".
Caçar Demônios.
Infestus da umbria(*sombra).
Joyce os chamava de:"Os Umbres"





(..)Se não houver mãos do etéreo que segure o candeeiro á noite,es que meu Reino e mavórcio prosperarão.













Rascunho de Personagem by Santidarko

sábado, 13 de outubro de 2018

A Fazenda Do Castelo-Heliara Gueller


Seu discorrer impreciso,ofegante e dilacerante em seus nervos já corrompidos,sempre em "constante cicatrização",a levou,a um ímpeto de busca;correspondente a de um náufrago sedento,rodeado pelo"infinito"de água salgada.
Trabalhar na Viviena,a Fazenda de Sabino Glaudini,não foi sua opção requerida,mas a vida...,nos leva a lugares aonde nunca imaginávamos pisar.
Asseveração piegas a qualquer um,ESSA AFIRMAÇÃO E/OU DITADO,MAS,uma coerência de aonde não queremos estar.

Orgulho ou falta de conhecimento para o trabalho,não faz qualquer diferença em momentos do sobreviver.
Claro,a prostituição ou roubo,estampou sua mente...,mas Heliara,recordara de sua infância e criação.
Em seus Irmãos.
No que diriam se descobrissem ou fossem relatados,sobre sua escolha.

Sua mente mnemônica,não a deixaria em desfalque ou em qualquer desvantagem perante aos outros empregados.
Dirigir "veículos pesados";tecnológicos,alimentar animais ou ficar debaixo de um Sol escaldante,seria ensinado a seu corpo e á sua vida Diplomada em uma ótima faculdade.
Ir ao Castelo,desenfado esse chamado por todos os assalariados da Viviena,era sinal de promoção ou á despedida de um de seus membros braçais.
Construída em uma pequena Colina,com alguns detalhes em pedras e suas janelas e portas de um grande porte,realmente;lembrava uma fortaleza Medieval.
Ainda mais,com um pequeno rio que corria ao lado esquerdo  e formava uma micro cachoeira ao cair perto da escada principal da vivenda.
Qualquer um que fosse até lá,faria essa associação,alusão ou brincadeira com o que vira.
Era inevitável.


Heliara,era uma mulher bem-apessoada,bem-posta em suas qualidades corporais.
O eterno e constante mexer,ou melhor,arrumar de seus fartos seios que necessitavam um de "ajuste local",uma acomodação;para ser franco e justo;um amoldamento de momentos em momentos;pegaria quaisquer olhos atentos ou acostumados com "as presenças";em um jogo do:-olhei,mas não por querer.
Sardento e branco como leite;causaria inveja,imaginação ou o desejo descarado em trejeitos faciais.
Á maioria.





Final do rascunho/introdução

Santidarko

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

O Recital De Provattus-Desreverso

Um Empirismo adquirido sob dores;angústias e desaprovações de simples relações Humanas.
A neófita da esperança e do acreditar,a "Nuela",Mariela Capronni,finalmente resolvera sair de seu casulo social e cotidiano.
Sua outra tentativa.
Se lançar ao Mundo.Ás relações.Mesmo sendo elas,não correspondidas com uma mesma veemência,sem um ímpeto dos alheios.

Á vista de um desabitado enlevo,nada para se afligir nessa nova mudança comportamental.

Afinal,se jogar em algo desconhecido,mas com uma mestria sapiente,requer uma expectação doce.Sem amarras das experiências passadas.
"Armada"sim,mas sem o demonstrar das feridas e os Hematomas do Eu vivido.
Tampouco,uma febra.
Descabida para com os interesses e as competitividades do real.

Assim NÃO.

Desaprender o "savoir-faire",JAMAIS.


Provar a Si...,TALVEZ.
Mas requisitar a interação Terrena ,COM CERTEZA.






Pobre Mariela
dantes vívida novamente
doravante
Foi topada novamente

Freada
rasurada
capada emocionalmente

O Mundo é uma constante e bela tela em branco
Os Animais são coloridas aquarelas
Os Humanos
o deplorável Flanco


Reverter o invertido
foi corajoso
esperançoso
deve ser mantido

As dores
são como as Estações
hão de nascer Flores

Mesmo em um terreno seco
árido
aguerrido
encarecido por fúteis

sua vida é ouro guarnecido
não deve ser desmerecido

Optar repetidamente
em se ocultar
é manobra sobrevivente
é ficar em estado dormente

Um dia o acordar
será finalmente
o melhorar








Santidarko

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

A Bruxa de Sálamo

 A Expiação Local


Sálamo,é um vilarejo que se localiza ao Sul do País.Fica ás margens do Rio Mágus
Apenas conhecida como Bubana;ou vulgamente como:Sonho Negro ou Mirone Sombria,é Habitante de uma Mata chamada pelos locais;de:Caliginosa
Uma Mata Densa,composta de banhados,Espinhos de Areia e um vasto composto de animais peçonhentos.
É Domicianada das terras aonde vive;por doação.Um grande fazendeiro e político antigo que retribuira um favor segundo ás estórias.

Verdades e mentiras,se entrelaçam quanto ao passado e ao presente de Bubana.Mas uma observação que todos os moradores que estão "próximos"a ela são consentâneos,são sobre sua aparência referente á sua idade.
Consagrar-se-ia idosa ao "tempo contado" por parentes dos residentes;avoengos,parentais e púberes.
Os Radicados da cidade de:Tévoras

Seu pequeno sítio,nomeado por si mesma de:Sponsa Capra(noiva do bode),tem uma extensa horta e "plantações singulares".
Sua casa é pequena...,feita com pedras."Milagrosamente"encaixadas com perfeição de centímetros nos detalhes arquitetados.
Possui um porão que difere em um tamanho bem maior que sua moradia de conspecto;casebre.



Personagem by Santidarko

quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Gritos Espelhados-Orgias Depressivas

Medo,ansiedade,alegria.
Morte Momentânea ,prevista em alternados dias.
Vislumbre corporal.
Desconforto Solícito.

Libido Flutuante;visitante.
Deturpação do eu ausente.
Difamação cerebral ao Si mesmo.
Melancolia ao Real,ao porvir.
Prostração ao imaginativo querer;desejado.
Subtração dos dias antecipados.

Obstinado do Ontem.
Supressão ao afeto alheio.
Descaso do Amor amigo
Gritos interiores;silenciosos.
Réplica da despersonalização;nostalgia ao Eu antigo.
Invocação ao Pretérito Perfeito.


Retroativa imagem dante da inimiga Mente.
Desleal.
Mordaça fármaco.
Levantar refletida no teto;
em paredes.

Futuro Exclamado;Interrogado.
Controlado.
Acompanhado.

Antidepressivos Espelhados em Retinas opostas.

Gritos Espelhados á óptica Mundo.

Alma sem rebanho
Consciência sem Pastor





By Santidarko

Vampiromus

Vampiromus= Clã vampírico Sul-Americano.
Situados do Sudeste ao Sul do País.

Linhagem não antiga.
Etnia heterogênea(*padrões miscigenados previamente,Dante Humanos)


Possui o Brasão de uma Cobra enovelada a um Dragão,com sua Face sentido á esquerda.
Lua Cheia como pano de fundo.





By Santidarko

៶ ៸ Estro Sanguirus-Sarina Sangrenaro,'A sombrinosa'

Nosferata trilhante
sonâmbula arguta
andarilha submissa de Seiva Humana

Ceifadora do anseio
voluptuosa Libitina
cupido inclemente


Rubra afetuosa
Nefasta acolhedora
Devassa Sanguínea

"Nefariana"
"Sanguiriana"

Infausta


Infestuosa do lúgubre




Pertencente ao Clã dos  Vampiromus







By Santidarko

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Fantasdermia/Vivultre-Eudora Chenko



A Fantasdermia=incorpóreo que demonstra sua presença com toques ou erupções na Derme(Dermatose).
Não é incomum toques na genitália para o estímulo ou embaraços sociais.
Mastubação.
Nunca á penetração.


Uma Vivultre=nome dado á causadora desses males.Espírito que se"alimenta"com o toque e a energia gerada pela sensação de prazer ou carinho.
Fricção.Estática



Eudora Chenko=Massagista que teve sua vida ceifada por um maníaco ao deixar sua clínica de Estética.
Mortais comuns que têm o"toque exarcebado"como fonte energética,diária,ao deixar o "físico",sente a necessidade do toque e o acompanhamento de um escolhido,á busca incessante do tato ao vivo





Glossário e personagem by Santidako

sábado, 22 de setembro de 2018

Darknosa-A Gótica Eucarística

Florência Zanaro e o âmago Celestino




Celebrar o vivo junto ao que se encontra em decomposição,era rotina em sua caminhada"sombreada".
O Sol,lhe trazia compromisso.Mas a Lua e a noite,AH!...;a Lua...,lhe trazia liberdade!
Proporcionava a ela,inserção a um Universo de segredos e destinos guardados.
Como se fizesse parte,mesmo que em segredo espiritual e não reconhecida por julgo condecoração;...de uma conspiração energética ou subliminar de eventos não eruditos.



Envultamento e o manuseio de elementos a sortilégios,difere totalmente de se cultuar a Luz,ocultando-se em um véu lúgubre.
O Maligno,também procria ao amanhecer e no"azul Celeste".
Ledo engano,de quem os designa por palavras ou gestos comportamentais.


A predileção á caveiras ou ao mórbido,em visões rasteiras,significa para alguns,adoração ao Final.
A antecipação,devido a uma escolha não desejada em vida.
O desdém ao belo ou ao oferecido.

Mas a outros,á celebração da alma e ao Futuro passageiro em comum



(Darknosa)
Personagem by Santidarko

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Verena Nolturo



Ás vezes,depois de meu despertar,até mesmo antes de me alimentar,vou a uma rua movimentada.
No início do enoitecer.
Descalça e com meu vestido negro e de detalhes em vermelho,me sento no beiral de um prédio.
Sempre com minhas pernas voltadas á rua.As balanço em movimentos descompassadados.
Meu Mestre,meu criador,Asmus Parine,um Francês que veio ás terras brasileiras em busca de um paladar mais caliente;mas isso,eu conto em uma outra oportunidade...;que habituou-me a essa divagação inebriante.
Ver as pessoas,os carros,as luzes de sinalização;todos em um êxtase afervorado.Tudo daqui de cima.
"A velha"Thaynire Lonetto;eu,antes da escolha por meu autor da escuridão;...,poderia estar lá...aflita,...sem uma cadência emocional para "o onde ir"depois de meu chegar doméstico.
Na sedentária rotina de amores desejados,fracassados,ou,de meu trabalho injusto e hipócrita.
Os"porquês";sem nexos,sem revides,sem argumentações ou sequer,decifrações de um destino a esmo.


Mesmo daqui do cume de concreto,sinto as almas,as fragrâncias corporais que me levam ao desejo e á escolha da noite.
É um "pouco" complexo de dilucidar,exemplificar ou clarificar a um corpo ou a uma mente Humana,o que vou tentar narrar e/ou descrever.
Uma apercepção Nosferata;exorbita qualquer sensação aguçada.De um Humano ou animal,mais agraciado com uma genética fantástica,ou dotada de mudanças ambientais que contribuiram para sua evolução em um ambiente inóspito.

"A agucação"dos dons recebidos após ao meu segundo nascimento,natimorta ás leis da natureza e do tempo,transcendem o real ou o científico legítimo ou ilegítimo.Aos mais permissíveis em inquirições extraordinárias.

ME DESCULPEM....ME DESCULPEM.
Talvez,eu esteja os depreciando um pouco.
VOCÊS,SAPIENS.

Mas quando assistimos a filmes que falam;dos povos que vieram de outros Continentes,dos costumes ou lendas que não conduzem ao real de uma gente,mitos e lendas,seria essa...,minha colocação em relação a nós.
Os dons e os poderes mostrados nas telas e nas literaturas,nos tratam como um pouco limitados.Outras conjecturas,nem mesmo são cogitadas.
MAS,TUDO BEM....TUDO BEM.

O que eu quero dizer em um tom direto e objetivo,que,através de minha visão inexprimível,obtenho,mesmo daqui de cima,o alcançar em ótica perspectiva,...o querer de uma jugular.
MAS NÃO..,PARA me nutrir em uma separação longínqua no qual me encontro como nesse momento.
MAS,através de um sopro em seu cerviz,o consigo"marcar"com meu hálito.
Mesmo ele se dispersando na cidade ou na multidão,posso segui-lo em um rastro,vermelho como uma fumaça leve e sutil,visível somente a mim e nenhum outro vampiro,Aonde se encontra.Mesmo que tenha se passado horas.O que eu jamais poderei fazer,é pegá-lo dentro de sua moradia.
Usar um artifício para ser convidada a entrar,ISSO,é UMA OUTRA ESTRATÉGIA..
Lugares públicos,não interferem o meu adentrar.
E sobre o aproveito do sexo,isso eu deixo para PROPAGAR em um outro momento.






By Santidarko

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

O Clube Magiciano-A Sociedade do Lume Felino

Victor Calaro,nasceu no circo.Sua mãe,Regina Calaro,a assistente do mágico Oriel Von Drumas,o teve muito jovem.Com dezessete anos.Uma criança nos dias de hoje.Mas não no íncio nos anos oitenta.
Talvez,em alguns meios de vida,seus conceitos,pouco valham.
Regina,ficou encantada com o felídeo olhar de Von Drumas.Em cada mudança de apresentação dos truques,a troca de"gestos oculares"entre os dois,isso sim,poderia ser conotado de mágica.


Von Drumas era um homem muito bonito.CLARO,toda beleza é efêmera.Dado o lugar,opinião,época ou uma vestimenta que contribui a qualquer homem,esse consentimento de outros olhares.
Ás mulheres,o mesmo efeito relativo.
Mas mesmo assim,ele preenchia requisitos para essa afirmação.
Talvez,sua maneira de se portar perante ás pessoas,seu gardo de movimentos corporais,seu sorriso contido,sempre com um toque em sua barba após um riso exacerbado,acrescia um charme sublime do que a uma beleza convergida por todos.
A um homem de trinta e três anos,que proporcionava olhares imaginativos das adolescentes e de mulheres mais velhas,diríamos...,que sim, era apolínico.

Observadores e analíticos de vigília,descreveriam que..,tamanho sestro,á explicação Freudiana.
-Uma jovem mulher que objetiva-se a um relacionamento com homens de Eras mais vividas,na efetividade,almeja um Pai ou uma figura masculina austera que não obtiveram na infância ou em seu crescimento pouco resgardado.
-Porventura,a presença de um irmão mais velho,rígido,com doses de violência protetiva,leve a algumas jovens;ao incesto Germano.
-Outrora,Relatos usuais e literários,já descreviam tal comportamento.
-A segurança financeira e medo da quase ou nenhuma experiência perante ao Mundo;as leve á ação da sobrevivência.


O fato é...,a atração e o encontro emocial afetiva entre eles,não seriam narradas ou destrinchadas por figuras de um clube campestre de Golfe.Regados a bons vinhos,rodeados de belas esposas e em frente a uma piscina que servia de colírio masculino.Com jovens de mesma faixa etária á mostra.Cobiçadas pelos Hipócritas.


Victor,estudava em"casa",sua mãe e membros da trupe,passavam a ele,tudo o que podiam sobre a vida e a luta de ser um errante.
O suficiente a uma vida em preparação para a Guerra.
VIDA.
Em certas ocasiões,seu pai,conseguia que ele participasse apenas como ouvinte em algumas escolas das cidades visitadas.
Somente como "corpo presente".
Não havia interação dos"colegas";nem sequer com os Magistrados quando Victor era consagrado com a sorte de poder sentar-se a uma mesa estudantil.
Não que Victor não fosse aberto ás amizades,mas um estranho,"estranho",era pertubador a eles.
Á Benemerência de Von Drumas,que ao voltar sempre da escola com essa excelente notícia á Regina,que nunca obtivera êxito em suas caminhadas longas que calejavam seus pés devidos a seus saltos-altos;Em certas ocasiões,ela o indagava da tamanha realização,já que ela,inúmeras vezes, saía com o pequeno Victor de mãos dadas pela cidade e,sempre, recebia um NÃO de professoras ou diretoras.
-Ciganos,não!Diziam as docentes.

Mas em seu caso,Von Drumas respondeu:
-Mágica!

O tempo foi passando e Victor se desenvolvendo como um jovem promissor.
Um Mágico regido por horas pelo seu Pai.
Treino,prática e observação.
Alegre,emocional e esperançoso com o Mundo "fora das Lonas".
Seu pai,seu exemplo...,acima de TUDO.
Sua mãe não tinha mais o vigor de uma jovem atraente,mas ainda dividia os laços da união com Von Drumas.
Como sempre foi.
Nenhuma separação ou desate entre os dois,ocorreu durante os anos.Nem uma discussão"Faltosa".
Um desaprocimar de dias.

Em passagem por uma cidade de pequeno porte,Rio Servente,Von Drumas,iria fazer o que sempre fizera.
Ir em busca de uma"vaga diária"para seu jovem filho.
Agora adoslecente,seria importante para Victor...Ainda mais!...,atualizar-se dos acontecimentos e das modas regentes.
Do vigor do Agora.
Mas em uma dessas rotineiras buscas educacionais,Von Drumas,não voltou.
Regina o aguardou com Victor,abraçados na pequena entrada do circo,até o chegar da noite.
De manhã,todos do circo,foram á procura de Von Drumas.
De escola em escola.Não eram muitas,a contar pelo desenvolvimento local.
O que se soube,por um dos palhaços,que havia também um marido aflito em busca de sua esposa.
A exuberante e jovem professora, Alegne de Castro,também sumira em um passe de mágica.
Assim como suas roupas e joias,contou o"vivido" marido e também prefeito.


Victor,aos poucos,"se aproximou"de Aline Vienaque,filha do prefeito.Desde o momento que o Bondoso homem,foi chorar os porquês com Regina.
Os circenses,continuaram sua trajetória como nômades,mas não;Regina e Victor.
Naqueles dias de prantos e perguntas,"preencheram" aos poucos a casa vazia do Prefeito.
Á espera de cada dia.
Nolasco,o prefeito,foi pilhéria constante nos dias ainda"úmidos"pela lembrança e o desprazer do abandono.
Os risos e os Cochichares,não o incomodava mais.
O que o tempo não cura,Edulcora.
Um novo amor então...adoça.


Nunca houve um relacionamento assertivo de Aline para com Victor;mas seu primeiro experimento sexual com ela,trouxe uma idealização a ele.
O AMOR,a SORTE ganha em pagamento pelas lamúrias sofridas em um passado recente.
Mas Aline,tinha outros planos.Desde criança,vislumbrava as cidades grandes pelas telenovelas.
A liberdade e as oportunidades do possível em ruas amplas e movimentadas.
Bonitas.
Céleres em acontecimentos amorosos e aventureiros.

Não era como em sua cidade,Rio Servente.
Pessoas das quais sempre conhecera,sempre conheceria, mesmo se um membro da "família vizinha",acrescentasse um novo Herdeiro ao Clâ dos cidadãos.
Rio Servente,não era uma cidade de todo o Mal.Possuìa belas ruas floridas,calçadas com tijolos coloridos;como aquelas de contos infantis ou em filmes de Fantasia;...contava com belas "construções alegres"e uma praça central,impecável.
Um belo e extenso rio,cortava a cidade.Sempre havia casais á sua beira,desfrutando o passar de patos e gansos.
Translados de carros?
Muito pouco.
O bom...,era andar pela cidade pacata e plana.Até os mais velhos usavam e abusavam do privilégio deste lugar.


Em uma bela manhã de verão,assim que Natal passara,Aline foi em busca de seu sonho.
Abraçar o longínquo.
Nolasco havia economizado o suficiente para quando esse dia chegasse,nao houvesse desculpas financeiras.
Regina,não contou ao seu filho,por medo ou por não querer estragar o sonho de uma jovem idealista e cheia de vida que ela tinha muito apreço.Que aprendeu a amar como sua filha.
Aline,abrira seu coração á Regina,nos conturbados dias,de todas as formas.
Ela,Regina,o fez também.
"A FILHA Á PRIMEIRA VISTA".
Sofreria com a reação de seu filho biológico,mas o amor verdadeiro,dá a metade do coração,para cada um.


Victor correu á rodoviária,mas estava três horas atrasado.Nem havia acordado direito quando soube.Ainda permanecia com suas vestes de dormir.
Discutir com o "pobre"senhor que vendia passagens,tampouco adiantou.
Se ajoelhou em frente ao guichê e jurou a si mesmo:
-Nunca mais serei abandonado por quem tanto amo ou necessito.


Após uma semana deitado em sua cama,ora por embriaguez,ora por desilusão;Victor tomou uma decisão ao ver um apresentador de um programa televisivo,anunciar um quadro de mágica.
O truque apresentado na tela,era infantil a seus olhos,mas foi o potencializador para seu levante emocional e decesivo.
Iria em busca da aprimoração e do conhecimento para seus objetivos.
Ser um mágico de verdade.Não como esses amadores que ganham dinheiro e aplausos por algo tão inútil e sem admiração de quem os assiste.

Victor ao se levantar de manhã,com uma pequema mochila nas costas,pega sua mãe e Nolasco sentados á mesa tomando o café matinal.
Surpresos e um pouco preparados na alma,se levantam e o abraçam.
Antes de passar pela porta que o levaria á rua,mesmo com o choro de sua querida mãe,Nolasco pede um momento a ele.
Disse a Victor,que havia algo para auxiliá-lo em sua busca. Em sua Jornada.
Nolasco,vai em direção a um pote de uma pequena estante da sala e retira um pouco de dinheiro.
Diz a Victor que,se acabar...,devido a um roubo ou um imprevisto de enfermidade,ele poderia ajudar com mais um pouco.Ele,Nolasco,estava guardando esse em específico, para um dia,o presentear com um carro.

-AFINAL,é disso que todos nós Homens,sempre queremos em seguida,não é mesmo Victor?

Victor o agradece com um forte abraço.
Nolasco o retribui com um bater nas costas.Como daqueles paternos de Boa Sorte, Filho.
Regina,não contou que estava grávida ao filho,para não o pressionar ou tirar sua concentração de sua luta contra a vida.
Victor parte com lágrimas.







Chegando á cidade grande,Victor foi assaltado,levaram sua mochila enquanto dormia no metrô.Perdeu seu dinheiro ao sair com uma mulher que supostamente mostraria um lugar para ele passar á noite,mas não antes de pagar uma bebida a ela em um bar descolado como ele.
Palavras dela.
Dormiu no balcão devido a um homogenizado colocado em sua bebida,sem que ele percebesse.
O chamado:"dorme caipira".
Victor,foi arremeçado na rua por não poder pagar apenas uma bebida.Mas não seria chamado a polícia,
visto que,quem o serviu,estava na "jogada" quando Victor,sem querer,mostrou o montante de dinheiro aos dois.A mulher e seu"sócio noturno"de caça-trouxas.
Victor ainda estava muito sonolento.
O dono do bar,desmentiria qualquer acusação perante á lei se Victor o contrariasse.
o acusando de roubo ou qualquer dano á sua pessoa.
Ao acordar,Victor teve somente uma certeza,jamais ligaria para Nolasco.
Jamais.

E Aline?.O que diria quando soubesse do acontecido ao ligar para casa pedindo as novidades familiares.
-Sabia que era um fracassado!.Por isso não quuis ficar ao seu lado;imaginou Victor ainda dopado.
No dia seguinte,totalmente recomposto,surgiu um problema comum a todos os seres vivos.
Alimentar-se.
Mendigou.Roubou de pequenos supermercados,fez o que podia,até decidir se voltaria de carona ou a pé para onde o circo estivesse.
Lá no circo,nunca mais,nunca mais,passaria por isso novamente.
Andou e pensou,...até a noite se apresentar.
Em uma parada de caminhão,apanhou de um cafetão,por estar"incomodando sua funcionária",sem dinheiro para gastar com ela.
Fazendo com que ela,perdesse clientes.
Victor,apenas conversava com ela,sobre um suposta carona;se ela poderia apresentá-lo a alguém de sua confiança que iria em uma certa direção.
Victor foi levado ao Hospital pelos sensibilizados caminhoneiros;que detestavam a figura do "Boléia",o aproveitador e protetor das"moças da noite".

Quando recebeu alta no dia seguinte,começou a fazer truques de mágica a umas crianças que aguardavam sua vez de se consultarem.Cabisbaixas
 nos colos de seus Pais.
Essa percepção,veio um pouco antes dele passar pelas porta automática do Hospital.
Foi apenas um virar de cabeça que lhe deu esse esboçar para com a alegria alheia e "desprotegida".
As mágicas,vieram,com os Pais ou com os que aguardavam próximos ás crianças. Com qualquer coisa que tinham em seus bolsos ou em suas sacolas no chão.
Alguns,deram gorjetas a Victor.Como Victor não possuía um chapéu,ou uma cartola que seria mais apropriada á sua profissão,ofertou seu tênis como coletário.
A atendente hospitalar que pode acompanhar a manhã divertida,questionou Victor,sobre uma suposta apresentação para os funcionários do Hospital.
Se apresentar em uma festa que aconteceria em dois dias.Seria uma celebração pelo Hospital ter ganho uma das melhores notas do Estado
Da qualidade no atendimento e de profissionais altamente gabaritados.
Votação pública e aberta,se alguém quisesse a procedência da escolha dessa premiação.

Victor aceitou.
Também conseguiu um lugar para ficar após explicar á senhora que o convidou,sua situação.
De trabalho em trabalho,Victor conseguiu morar em uma pensão confortável.
Bom chuveiro.Boa comida.Boa cama.
O que mais poderia querer alguém que iria caminhar ao desconhecido das estradas até o; encontrar do circo.
Assim como as horas,os dias e os meses,voam.
Com um dinheiro"sobrando",Victor pôde ir a um show de mágica,"de verdade".
Daqueles caros e espetaculares.

O FANTÁSTICO:OFRANUS.

Gastou todo seu dinheiro para estar na primeira fileira.
Durante a apresentação de quem quisera espelhar-se,Victor começou achar aquilo tudo;Impossível demais.
-Materialização de animais em lugares Aonde não caberiam?
-Frutas sendo criadas do nada?
-Partes corporais sendo desmembradas diante de seus olhos?

Victor poderia ser um rapaz humilde de criação,mas a arte do impossível,ele saberia reconhecer á distância.
Não,aquilo não era truque.
Precisaria de mais pessoas para o ajudar a executar tamanha perfeição.
Um"mágico"solista com tamanha destreza?
-Seria um paranormal?

Após a apresentação,Victor esperou o seu ídolo surgido naquela noite,do lado de fora do Teatro.
Não houve qualquer chance para ele poder conhecê-lo pessoalmente.
Os seus seguranças,não deram qualquer brecha,nem mesmo se ele fosse um camundongo.
Victor,em todas as noites das apresentações,agora sem dinheiro,esperava Ofranus do lado de fora.
Nada.
Conseguiu em uma noite,ouvir através de um dos seguranças,o hotel aonde Ofranus iria repousar.
Foram dois dias á espera,agora,não mais nos dias de encenação.
Mas sim,quando o mágico saía do hotel.Calmamente para caminhar ou levar seu gato para passear.
A primeira tentativa fracassou.Na segunda,conseguiu o seguir de táxi no último segundo.Quando Ofranus subitamente entrou em um carro.
Chegou a um lugar chamado Magician.
"um ar estranho"envolvia aquele lugar.Algo que se sentia na pele e em seu Ser.
Pela entrada principal,jamais passaria.Notou a apresentação de um cartão brilhante ao porteiro.
Por uma janela de um banheiro dos fundos,conseguira entrar.

Mulheres nuas servindo bebidas,"seres estranhos",sexo entre os presentes,a visão de Victor,não processara tamanha surpresa.
Com o capuz de sua blusa,escondeu parte de seu rosto.Caminhou até a mesa de Ofranus.
Ele estava sozinho,com sua bebida e seus pensamentos.
Victor se sentou e o chamou de MESTRE.
-ME ENSINE SER COMO O SENHOR!

Ofranus acendeu seu charuto e disse:
-Ousadia e coragem,você têm.
-DESPREENDIMENTO E O NÃO ARREPENDIMENTO,VOCÊ TAMBÉM OS TÊM?








"Todos aqueles que usam da Negra Magia para o aparente sintético,serão expostos por suas retinas felídeas.
"Deverão usar lentes das cores dos próprios olhos para ludibriar seu público e as íris eletrônicas"























By Santidarko

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Desprofetize-se

A quem:

o perdurar do desamor
o arrancar da Alma
a insensatez de uma existência
a sortida enfermidade
a mão amiga cerrada
a amargar simbiose
o desfragmento do sexual desejo
o dissabor alimentar
o merecido roubado ou esquecido
o belicoso
O flagelo vigente
o vício latente
O decomposto de um simples querer
O diviso amigável
o abraço recusado
o beijo incompatível
o zombar alheio
o distúrbio despersonalização

o deitar carente
destituído

O locomover noturno caseiro
incessante

O sonho contaminado
lesivo

o levantar faltoso
desabastado

o embate perdido diante ao Mundo
sumário

o sublinhar de alegrias em Ruas
o deslocar confuso
o lugar inexistente
o dirigir sem rumo
o esquecimento celeste
os olhos coibidos




o prestes
a pressionar...
"saída de emergência"



NÃO DESISTA
NÃO DESISTA
NÃO DESISTA
NÃO DESISTA
NÃO DESISTA
NÃO DESISTA






By Santidarko

sábado, 15 de setembro de 2018

Avocário-O Púlpito das Preces


Avocário=lugar designado para avocar/invocar entidades ou pertencentes ás forças.
Lugar comum preparado especialmente para o Elejo.
Elejo esse que se espera obter favores e concessões.Barganga de interesses mútuos.Do aclamado ao solicitante.
O Anfitrião e/ou orador,deve se posicionar ao centro do círculo.Os demais,o cercam de forma circular.Não há uma regra ou contexto de posições.Ou seja,em pé ou sentado.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------





Em uma noite fria,na qual as velas não se mantiam acessas para o culto enfoque,disparate ocasionado ao vento imparcial e pouco melindrado a Humanos e seus devaneios de grandeza,Elenom 
Dumarte,cometeu seu segundo erro.
O primeiro,foi seu acaso azar em ter colocado suas mãos no livro dos Adorathes.
Ensinamentos/Ideologias pagãs a almas de decontentamento com Conjunturas terrestres.
Desdita comum a qualquer ser vivo.

Jovem de família abastada que procurava emoções e conceitos novos para a adrenalina e quebras de mitos perante seus amigos e seguidores em suas festas regradas de autoafirmações e egocentrismos.
A Pecúnia de sua família,deu a ele,a chance de comprar esse encadernado"escondido"atrás de uma estante em uma loja chamada;o Brechó dos Despertencidos.


Sua entrada á loja,não passou de um mero foco no interesse da admiração refletida nos olhos de sua namorada;Bárbara Vosgrano.
A Bebéia;para todos do grupo de escopo"nobre".
Mesmo sendo advertido pela vendedora sobre o que segurava com um tom de desdém..,enquanto Intelectualizava para com sua ruivinha risonha de minissaia,blusa caída em um dos ombros e um salto que denotavam seus cultuados pés de princesa;aliás,ela era modelo de pés.Todo catálogo de sandálias,chinelos ou de saltos,a procuravam para estampá-los em suas páginas.Na maioria das vezes,usavam outros rostos,mas isso não tirava dela sua autoafirmação como uma modelo.


Realmente,o livro era lindo,um entrelaçado de folhas abertas e grandes,bem verdes;a julgar pelo tempo de existência ou confecção.Elas compunham a capa como se fossem artificiais.
Não havia papel embaixo ou de suporte para sustentá-las,elas,as folhas,eram a própria capa.
Nunca se vira um trabalho tão majestoso e artístico que alcançaria a quaisquer olhos, o título de obra-prima.
Alguns diriam,que tamanha perfeição,era de caráter duvidoso.
Não cunhado nesse plano.

Elenom,apenas o comprou,pelo preço e por achar que seus"amigos"de porte Titular,de estirpe acadêmica,o reconheceriam,dentre tantos atributos contidos em sua mente...,um esportista sem medo,um modelo que não optou em seguir carreira(segundo ele mesmo)e,acima de tudo,um conhecedor de arte.
Claro,a namorada de "revista"e seu carro visto pela maioria,somente em filmes ou em feiras de automovéis...
Em sua Psiquê,em seu ID inflado,TODOS almejariam ainda mais ser ele.
O ESCOLHIDO da perfeição.


AGORA,um manuseador ocultista.Resulta própria de pensamento.
Mesmo a senhora da loja,tido a coerência de tomar o livro de suas mãos.Três vezes,para ser preciso e exato ás chances que teve.
Mas a"pobre"atendente do brechó,ao ver sua pequena filha carecendo de sapatos novos,não pensou em recusar algo do qual o cliente ofertou o triplo.
Antes de nós,OS FILHOS.
SEMPRE.


Mas em suma direta,o que um jovem em inversa situação,ainda não completara no ter.
Em humilde opinião,eu diria... a fama e adoração em sua existência.
A comtemplação ou a idolatria em seu SER.
Legado,é para quem cria,dispôe algo á humanidade;ou,deixa ensinamentos fertéis.Não para quem quer ser bajulado em um mundo regado a duras custas por si mesmo.


Na noite escolhida,conseguiu levar seus admiradores e penetras fanfarrões;aduladores de seu dinheiro e de seus bens invejados.
Não serviam nem mesmo como castiçais humanos para desvencilhar o vento das velas que não poderiam apagar durante o ritual.
Alguns,consumiam intorpecentes e proferiam nomes da Estrela invertida,como zombaria.
Debiques.


Uma banda de Rock que chegara despercebida por todos,com seu amplificadores situados atrás de suas caminhonetes e,intitulados de"Lava Lacrimosa",os interrompeu com suas guitarras"pesadas" e seu vocal avassalador.
Cantando:A Noite Druida.
Desastre total.
O ritual cumpriu o declaro oposto.
Mãos sairam do chão e começaram a puxar os participantes envolvidos.


Elenom,aparentava não entender algumas passagens do livro enquanto o consultava.
Assim sua namorada interpretou quando o questionou.Algumas pessoas ao seu redor,o mesmo desfecho cerebral
Pouco a pouco,todos foram sendo sugados ou despelados.
A gritaria,daria inveja aos amplificadores potentes de última geração.

Mas não se engane,Elenom,seguiu cegamente o que planejara.
Apenas salvou sua namorada,puxando-a para uma proteção junto a ele.
Refúgio feito com Sal e pó de serra de madeira previamente benzida.Restos de bancos de igreja vendidas ou jogadas para a colocação de novas em uma paróquia.
Inserção CALCULISTA.

A adoação espontânea dos outros;HOUVERA.
Niguém deslocado á força até o local,ninguém arrastado com promessas lisonjeiras de amizade.
Todos levados por si próprios.


Barganha concretizada





By Santidarko

Os Lucanarius

IRMÃOS.

Os anti-mortos confabularam;conseguiram entre os Humanos de recursos e das leis regentes e vigentes,atestar nossa existência.
Não debandem aos cemitérios com intuito de se ocultarem em descansos de opostos.
Como vermes situacionistas.
Equanimemente,usem o manto da noite para escurdar-se.

Nossos oponentes,usam o Brasão de São Bento bordado no peito,em uma espécie de jaqueta"encoraçada" e, carregam consigo uma maleta de mão como se fossem médicos familiares.
Aqueles que atendem apenas uma"parentela" elitista.


O que eles não têm em colunho próprio,é nossa regeneração e dispor ao tempo incontável.
Não os tema.
Ainda são humanos;mesmo tutelados com suas tecnologias extraordinárias.
Monomaníacos.
Sus espécie almeja o que temos;inaplicáveis ás suas condições de finitude.

Somos o ontem e sempre seremos o hoje.


Os Lucanarius,não são páreos á nossa Cepa.
Á nossa casta.
Iremos cercear qualquer debuxo que ousarem.

IRMÃOS.
Eu, Nosfirus,o Príncipe entre os Leões,vos proíbo de criarem condiscípulos com o desígno de autoproteger-se dos Sapiens.
NÃO será tolerado essa imensa petulância.
Essa...Enorme blasfêmia vampírica
Se Houver desacato,serão confinados aos caixões de Prata.
Perderão gradativamente seus dons e morrerão como renegados pela sua própria natureza magistral.

AGORA VÃO e bebam vida.
BEBAM O SEMPRE.








By Santidarko

santidarko´s Room








Arquivo Teste -VERSÃO 2


quinta-feira, 13 de setembro de 2018

Por que as luzes piscam/oscilam em filmes de terror?

CLARO,toda corrente elétrica é composta pelo negativo e positivo.
MAS,vamos nos ater...,que a Lâmpada é a força positiva em ação,Representa a"LUZ".
A "iluminação".
Nos Filmes.

Quando há um oscilar de energia,essa,por sua vez,está sofrendo uma alteração brusca de"força negativa".
O MAL ou uma presença de"energia de abstenção".
Ou seja, a corrente contínua,sofre uma variação e uma pequena queda/troca de fase.

Mas isso somente funciona,em filmes de possessões ou em filmes sobrenaturais.
Usar essa artimanha em filmes de serial killers,seria um pouco imprudente.
A menos,que esses psicopatas ou assassinos,estejam apenas sendo um"veículo condutor"das forças malévolas.




By Santidarko

Prislana Lucardio de Renoir(Socialite)


"O dinheiro não me compra,apenas me vende a mim mesma"


"Fazer amor com uma mulher,é como se o espelho retribuìsse as minha próprias carìcias"


"A única ideologia de gênero que me afligi,é aquela que não conseguirá entregar o meu pão quentinho todas as manhãs"




"As genitálias de meus namorados,somente me superiorizam"



"Se dinheiro trouxesse felicidade,daria o meu aos pobres,mas eles não saberiam,o sabor alegre de uma triste riqueza desde o nascimento"



"Qualquer vagina,no rosto certo,vira joia masculina"









Frases e criação de personagem by Santidarko

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Rosilla Karnixai-O Vento Orador


"As Delícias Negras"


Epifania obscura,que se incandesceu com o movimento constante do assopro da vida.
Do Aflo que move embarcações,que cria energia,que provoca resitência em máquinas de locomoção,que enche os esponjosos orgãos de esperança ao emergir do elemento liquido essensial da existência.

Que transporta partículas de poeiras com suas bactérias parasitas.
CARPE.
Colábrio.


ÉS uma das energias de pensamento,a pantomina;a cinesia do constante,...primordial
A vivissecção de meu ser em graça oferenda.
A panspermia sem ti...,apenas dissabores!
MEU AZOUGUE.




-Hórrida Corpus Satani,Decovas Sábias de Alétheia,fostes exilado dos olhos celeste,Deísta Experienciado...;

-SOU a maçã no chão do Pântano.O cordeiro revolto,destinado.
-O Joguete aceito.

-Dai me a força do obstáculo em quem nos atacam em falso nome creditado no justo ou julgador de minha pobre sorte.
-PORQUE a mim,a tempestade;a tantos,a calmaria da riqueza e do amor.
-Sou tua hospedeira de Magia



Rosilla Karnixai-O Sortilégio do Agora(Personagem e ensaio)-By Santidarko

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Afagos Imorais

O arrojo para com o almejo de seu desejo realizado,surge com um arcar maturado perante a vida,Ou,com o Medo de sua Finitude sem á sua experimento sensação?
O ostracismo dos sentimentos impuros,é medo ou prudência?

-Teodoro Milleno








I-A Pequena Cidade Da Injúria




Na classe do Curso Noturno de Letras da Universidade particular,"Hérpita Lanuse",há quarenta alunos.Nas cinco fileiras existentes na sala;da esquerda para a direita,com a visão frontal da lousa para a sua referência de localização,Jéssica Kniss;ocupa a terceira cadeira da frente.É a mais próxima á mesa da professora Joana Matsugawa que amestra Sociolinguística.
A Professora Matsugawa:com seus lindos cabelos negros sempre atados ao coque e,constantemente com sapatos Scarpin sem Salto alto,saia social cinza e um Blazer feminino de um vermelho gritante;retira seu óculos e o deixa"pendurado"em seu pescoço pelo cordão.Se desvincula da mesa da qual"nunca"se sentara;a todo o momento,se escorava nela de frente á turma;começa a andar entre os corredores de alunos.


Jéssica,tem o seu momento:"fora da visão"Tutorial."Um ar Fresco".
Isso,não significara,uma recusa da presença de sua Mestre ou de que se sentisse"sufocada";mesmo porque,se esse fosse seu dilema,não se"apropriaria"do lugar mais próximo á professora.
Mesmo com seu "problema de visão".
Mas,esse"doado"momento,o usufruía,como um adendo ao ensino.O momento de encher seus pulmões e,"libertá-los com imenso suspiro.

Á sua segunda visão,talvez;esse gesto,lhe propicie/te propulsione,a um Salto-alto de seu Ego ou a uma saia-justa do qual era constantemente obrigada a enfrentar.
Um desabafo ou um"grito silencioso"de Jéssica.
Circunspecto equivocado de seu discernir mais apurado.
TODO Aulista,por mais"fiel"que seja,ás vezes,necessita de um átimo de segundo.

Faltam alguns minutos para o término dessa aula e para todos irem embora para as suas respectivas casas.Ás onze horas, para ser exato.
Jéssica apoia seu maxilar em sua mão direita e começa a devanear:

-Sempre quisera ter uma vida comum;se formar e,arrumar um emprego em sua área.Ser Professora.
Após sua estabilidade profissional,seguiria ao provável,ao comum a todos;à decisão mais elementar de um Ser humano.Se casar.
-Filhos?
Se apoiaria no que o destino"não lhe desse";ou o alvitre do tempo,lhe "indicasse".
PRIMEIRO,gostaria de conhecer lugares e pessoas.Gastar o dinheiro que ela e seu futuro marido conseguissem; trabalhando arduamente:-Em "Prazeres" do casal.
Ter a responsabilidade de criar um "Ser",sem ao menos ter desenvolvido seu real padrão de comportamento;seria
repentino e imprudente.sem planejamento.
Um descuido a quem sempre se"Policiou"incansavelmente.
Com seus vinte e um anos,pensar em uma Prole antes dos trinta e um;em grau nenhum,isso estara acordado com consigo mesma. 



Teodoro,conhecido por Todos que se relacionavam com ele,dentro ou fora da Faculdade,como apenas"Dóro",toca no ombro de Jéssica.
Assim como ele,Jéssica,também era apenas chamada por um vulgo.A de "Kiss",Mas em seu caso,apenas na Faculdade.
Uma alusão e brincadeira para com seu sobrenome;isso ocorreu na primeira noite que ela e todos,ingressaram no curso.
Enquanto todos se conheciam naquele primeiro"dia",entre as apresentações e as chamadas dos Catedráticos,as inúmeras perguntas da pronuncia correta de Kniss,coincidentemente,ela estava com a camisa dessa Famosa Banda.
"Resumir"e"aprimorar"seu Sobrenome por parte paterna,foi divertido e tido como uma"quebra de gelo"entre seus colegas.
Afinal,uma menina visualmente agraciada por uma excelente condição financeira;com um sobrenome garboso, "forasteiro"e,seu carrão que chegara no estacionamento,provocaria seu distanciamento involuntário entre os demais.
Mas,mesmo com a sua disposição em atender e conversar com todos,não conseguia se desarvorar das sempre e existentes más línguas.

-uma Professora que será rica.
-Vai ensinar Moda aos seus Futuros Alunos.
-vai contar suas viagens exóticas em salas de professores.
-Vai mudar de curso em dois anos.


Dóro,apesar de ser uma pessoa simples e carismática;"nas Entranhas dos Banheiros",era chamado de criado-mudo.
Pois saía de sua república durante a madrugada,para atender uma"dificuldade"ou um simples Chamar de Kiss.
Sempre com um buzinar em frente á sua casa;ele entrava no carro de Kiss e saíam.Muitas vezes;ele alegava que dormira no belo apartamento que ela Herdara de seu Pai.


Murat,com quem dividia a casa com Dóro,entre outros,apesar de não estar no mesmo curso que o seu,proclamava comentários,muitas vezes,maldosos;pelo pátio aonde se encontravam os veteranos e os calouros de outros cursos.Sempre o mesmo assunto e sua visão sobre esse"relacionamento".

-Será que"rendendo" pelo menos?
-Se eles não namoram,e Dóro não é Gay,o que acontece entre eles?
-Será que os pequenos presentes que ele ganha ás vezes,é por algum"serviço".
-Eu estudo em uma Instituição"requintada",mas sou bolsista com orgulho.Não me"dobro"a"eles".-Ás sua vontades e descartes.


Diante de Kiss;todos os outros alunos,de sua classe ou não,a cumprimentavam e elogiavam sua boa Vontade.
De dar carona para irem embora em noite chuvosa.Emprestar uma blusa por ficarem no ponto de ônibus,pois em algumas noites,seu carro ficara lotado com outros colegas.
Por dar ingressos para uma exposição.
Um convite Vip para uma Boate da Região da Universidade(Localidade Nobre).

E Kiss,sequer pedia algo em troca.
Nada de cola em Testes ou favores devidos dos puxa-sacos.
NADA.


Talvez por isso,Dóro,levasse a fama de seu Vassalo"Áureo". Predileto por algum motivo.
Mas presentes extravagantes,ou um adjunto financeiro a ele,não provinha dela.
Nunca Houve.













II-A Turista Emocional





Quando kiss se vira para atender o chamado de seu amigo Dóro,tocara o Sinal.
Enquanto todos se levantam e cumprimentam a Professora Matsugawa com um:-ATÉ MAIS;eles ainda permanecem sentados.
Dóro se prepara para dizer algo a ela,mas com os colegas de classe,passando por eles;com comprimentos de mão,"dizeres rotineiros",interrupções com palavras direcionadas á Kiss,ele apenas pega seus pertences e se levanta.
Kiss,também age da mesma maneira.
Todos vão em direção á saída.
Dóro,ao andar pelo corredor com seus colegas,começa a ter novamente aquela sensação inexplicável.
Ouvir uma música que somente ele deferira.
Ele não a tinha em seu celular e,ninguém ao seu redor,estava com algum dispositivo que emanasse essa canção.

One Headlight- The Wallflowers,era tão vívido e nítido em seus ouvidos.
Por alguns instantes,há um desfoque visual em sua percepção para com o ambiente.
Algumas pessoas,parecem falar uma Língua desconhecida.
Ás vezes,similarmente,sente,que alguém o puxa pela mão.
Dóro,tem a sensação,que enlouquecera.

Dóro se senta em um banco.Precisava se recompor.
Kiss,continuara a andar,estava entretida com seus colegas;mas ao perceber a"omissão"de seu amigo em um de seus comentários "hilários",olha para atrás e vai em sua direção.
As outras pessoas desse "agrupamento",apenas se despedem de Kiss com um:-Nos falamos depois ENTÃO.

Kiss se senta;coloca seus livros e cadernos em cima de suas pernas.
Ela estava com uma minissaia preta;uma"rasteirinha"que exibiam seus lindos e perfeitos Pés.
Uma camiseta branca personalizada por ela;com"cortes específicos"que deixavam seus polpudos seios á mostra de um certeiro desejo.
Pergunta a Dóro,sobre o que acontecera.
Dóro está ofegante,mas percebera cada detalhe de sua vestimenta.
Antes,não tivera a chance de a admirar tão"profundamente";pois na sala ela ficara sempre sentada e,ele atrás;no intervalo;ela"sumira"com "as meninas".
Dóro,pega no pulso direito de Kiss.

Diz,não aguentar mais a sua carência á sua pele.
Macia e Branca.
Kiss se levanta e se desvencilha do segurar de Dóro.
Começa a andar em direção ao estacionamento.
Um pouco antes de chegar em seu carro,kiss ainda olha rapidamente para Dóro.Ao perceber que Dóro a seguia com seu olhar,ela vira rapidamente sua cabeça.Seus cabelos loiros acompanham seu girar repentino.
Dóro ainda fica sentado por alguns segundos.Estava"batendo"em sua cabeça e remoendo seu confessar.
Se autoxingando mentalmente.
Mas sente,que Kiss,o usou de forma sentimental.
Sexualmente,seria a descrição correta.Mas com seu despertar á paixão,alguns sentidos ficam confusos.
O que estava acordado entre os dois,parece não haver mais validade para ele.
Um arrependimento de sua confissão,não houvera;mas talvez,se porventura,ficasse com seu Afeto"escondido",obteria outras chances de encontros Carnais.
Isso sim,o arrependera intensamente.
A situação,agora;-Seria imutável?











III-A Fatura do Passado




Teodoro,tinha apenas dois anos de idade quando sua Mãe,Márcia,se separou de seu Pai.
Após ao seu nascimento,Márcia,tentara de todas as formas cabíveis á sua dignidade que a sua união,prosperasse ou tivesse um salvamento"Divino".
Sem sucesso.
Em uma dia passeando com o pequeno Teodoro no Shopping,Márcia,tivera uma dificuldade em levar Teodoro no colo juntamente com as compras que fizera em algumas lojas.
"Presentes"para ela e para ele;um ato ou gesto de sua parte;para"abafar"as tristezas de uma jovem Mãe na Época do Natal.
Ao derrubar alguns pacotes quando tentava abrir seu carro,subitamente,teve a ajuda de seu primo,Amon,do qual não vira,há MUITO TEMPO.
Nesse encontro surpresa em um estacionamento,entre lembranças e"contos familiares",isso ocasionou aos dois,um encontro posterior.

Os dois,não"saíam"com uma frequência dinâmica,mas em alguns períodos,houvera um "entrelace de suporte".
A necessidade da"fricção"dos corpos quando;eles se compreendem amorosamente.
Em três meses,Márcia engravidara novamente.

A relação entre os dois,nunca estivera em uma afirmação de compromisso.
Apesar desse desencontro de corações,Márcia,amava Amon,intensamente.Era o amor mais forte de que sentira até hoje.
Em seus planos,guardaria esse afeto indescritível,para um "momento certo".
Não importara,quando tempo tivesse que acomodar esse Amor em seu peito;quando Amon estivesse"pronto","ele"estaria á sua espera.
Márcia,suportaria longos anos guardando-o em remanso .

Na Literatura e em Filmes;dizem:"-Que o coração de uma mulher,é um Oceano"

Em contrapartida aos nossos corações Masculinos;não passam de meros rios pequenos e rasos.
A necessidade de uma travessia certeira e eficaz.Homens,não esperam para remarem em águas calmas.
Agitação Amorosa,é sinônimo de DESERTAR.


Márcia,agora,enfrentava outras dificuldades.Financeiras e de sua disponibilidade para com o seu trabalho.

Amon,mesmo ainda começando sua pequena e modesta Transportadora,se propôs a ficar com a sua filhinha.
Márcia,mesmo com sua âpedeuta Materna,aceitou com Dores e Prantos.
Amon,com sua boa-andança em gerir seus negócios,enriquecera,quando sua filha,completara dois anos.
O encontro entre Mãe e Filha,Irmão e Irmã,ficou cada vez mais escasso.
Amon se mudara para o exterior e se casara na Itália.
Márcia,queria o melhor para a sua Filha.Mesmo não a vendo.Os"relatórios"semanais de Amon,a fazia sorrir.
As belas novidades.
Amon,até enviara um computador para um contato Facial entre as duas.

O vento e o tempo,"RUGEM".


Nessa etapa de aproximação por parte de sua Irmã,Teodoro,estava cursando um colégio militar.
Estava com seus dezesseis anos.Sabia das novidades através de sua Mãe quando o visitava;"Nos Domingos Abertos"para familiares.

Teodoro,começa a mostrar seu descontento no seguimento de uma carreira Castrense quando conversava com a sua Mãe nessas suas visitas consentidas.











IV-Fluídos Crapulosos





Ao sair do Exército,Dóro,continuara a presenciar sua Mãe,suspirar por Amon pelos cômodos da casa.
Fotos ou cartas.Sempre a Flagrava no sofá da sala ou em sua cama,fumando e bebendo com a sua"caixinha de lembranças".
Toda noite,desde que era uma criança,um ato corriqueiro de sua parte.
"Sempre"após ao retornar de seu Trabalho,Márcia,tinha sua nostalgia amorosa."Sua Sessão";segundo Dóro.
Márcia,teve outros relacionamentos,mas a Esperança;......AH A ESPERANÇA!
Em um mês dificultoso,Márcia,enfermara.
Ao saber desse infortúnio,Amon,mandara sua filha de volta ao Brasil.
Segundo ele,era o momento de uma convivência entre os fortes laços desatados pela vida.
Uma menina de Dezoito anos,merecia conviver com a sua Mãe.Era um período de afirmações e de"alicerces";completara Amon.


Um dia,ao chegar de seu trabalho para almoçar em casa,Dóro,conhece a sua Irmã.
Dóro,tinha esse costume adquirido,de voltar para casa no meio do dia,em fator da"indisposição"de sua Mãe.


A bela e"famosa"Jéssica Kniss,provocara outros sentimentos.
Um Amor germano,ficara explícito,de que não era.

Dois meses aguçados para com o impróprio.
Com a presença de Jéssica,Márcia,se recuperara de sua mazela.
Dóro,deixava de ir ao seu trabalho e de ir em sua Faculdade de Engenharia,somente para ficar a sós com Jéssica em sua casa.Sua mãe Márcia,tinha compromisso com seus alunos.Sempre voltaria á noite.
Quando sua mãe chegava em casa,achava essa aproximação dos dois,era mais do que normal.
Em uma noite,sentada á mesa da cozinha,tomando seu café,Márcia,escutara alguns risos e uma onomatopeia que caracterizava um beijo ardente.
Mas ao perceber sua insensatez,Márcia contesta sua sanidade.
Era uma tarde de Domingo,quando Márcia recebera um telefone desesperador.Ela caíra ao chão em razão de uma forte vertigem.
Amon;Falecera.

Jéssica,se aproxima ainda mais de seu Meio-irmão.
Ela não ficara sem um apoio de pecúlios.Amon,tinha um testamento em seu nome.
Se tivesse congruência em seus gastos,ficaria bem para o resto de sua vida.
Jéssica,resolve mudar para o belo apartamento que Herdara.
Márcia,decide ficar em sua casa.Dóro também acata a decisão de sua mãe.
Nunca sucedera um interesse monetário após aqueles tristes dias.

Dóro,sempre"visita"a sua Irmã em seu apartamento.
Jéssica,conta a Dório,após ao expelir de fluídos amorosos,que;algumas coisas deveriam mudar e,outras;deveriam cessar.
Dóro,ao entender o segundo ponto de sua colocação,diz á Jéssica;que tenha a sua mente aberta;pois no começo da civilização moderna,o amor entre irmãos,não era uma conjunção pecaminosa ou imoral.
A sociedade,que nos havia ditado regras religiosas e de caráter familiar.
Eles,eram:meios-irmãos.
O amor,mesmo carnal entre"aberrações",era"supremo"

Uma dádiva Sincera e pura.Nunca Houvera apenas um "ato mecânico"ou de prazer mundano.
Jéssica,se levanta de sua cama . Se veste com uma minissaia preta,uma rasteirinha e uma camiseta branca personalizada por ela.

Ao se sentar na cama,coloca alguns livros em suas pernas,pede a Dório;deitado ainda Nu em sua cama,que sente ao seu lado;diz que começará a administrar de perto,a Faculdade que seu Pai;do qual era acionista majoritário,que aliás,colocara o nome de sua Mãe,avó de Jessica,e iniciará também ;o curso de letras.
Será professora como a Mãe de Ambos.
Dóro,relembra a ela,que também,está mudando sua vida.Está morando em uma casa com quatro amigos ;,  e logo ,terá um dinheiro guardado.Mesmo antes de terminar sua Faculdade;tivera ofertas de emprego.
Nunca contara aos seus amigos,que eram meios-irmãos.
Tudo poderia dar certo,se Márcia desconfiasse de algo profano,a Tranquilizariam com desculpas de negação.
Dóro,a segura pelo pulso.
Kiss se levanta e se desvencilha do segurar de Dóro.
Jéssica,tem outros Planos.Educadamente,pede a Dóro,para se retirar.Não a procurar por um longo tempo.
Dóro se veste e vai embora.

Foram noites terríveis para Dóro.
Sempre que escutava uma buzina perto de sua casa,na república;pensava ser Jéssica o esperando.
Saía na rua correndo,ás vezes,somente com suas roupas íntimas.Tamanho era sua espera e saudade.
Após uma semana de espera,Dóro pega seu celular e vai em direção a um ponto de ônibus.
Com seus fones de ouvido,começa a ouvir;One Headlight- The Wallflowers.
Era onze horas da noite.Ao ver o seu ônibus se aproximando,Dóro se prepara para fazer o sinal de parada ao coletivo.
Sem perceber,em sua frente,"cortando"a rua na transversal,vindo de um cruzamento que,tinha o destino certo de seu ponto ,um motorista bêbado o atropela.
Invadira a calçada.
Apenas Dóro estava nesse ponto.


Um ano após o incidente,Dóro;ainda permanece em coma em um Hospital particular.
Sua irmã Jéssica,é quem custeia cada procedimento necessário para seu esperançoso recuperar.
Jéssica,sempre "conversa"com seu irmão em suas visitas frequentes.

Dóro,está na classe com Jéssica,convive com ela.Assiste a aula da Professora Matsugawa
Se pergunta,por que não ela nunca retira a roupa de que ele mais gosta;mesmo ela estando brava com ele.
Quando ela se distancia dele,aquela música,o persegue.
Seus amigos de moradia,sempre o questionam da relação entre os dois.
Dóro,sempre aguarda o buzinar de Jéssica em frente á sua casa.
Mesmo com alguns entraves,tudo dera certo em sua vida.















By Santidarko

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

A Noite Das Saliências Macabras

"Mesmo ainda na condição da"Carne Existência",tenho a função de derramar Sangue sobre a"Luz".
Quando o poder oposto ostenta seu clamor perante o Dia,tenho a clara visão de assentimento ao meu desígnio.
"Me aguardam"em sua inclusão."Pertenço á terra do Fogo".

-Darkno,O Assassino Do Pé De Cabra,Vulgo Assassino do Eclipse,na sua descrição sobre"A Noite Sintética"em seu Grimório;conhecido como:Dreshga.




(Andar á noite,sempre teve a"móvel razão";de"perigos obscuros",a saída dos"aprisionados"da caligem e a "pletórica" ação do poder das Trevas.
Com a gnose que,no período da Estrela Maior que nos ilumina;não excluí os perigos de Mortes ou infortúnios.
Mas,á noite,sem a Luz cintilante que nos Alumbra,temos sim;o suplício de entidades e de"Almas"que rogam pelo poder da "Escuridão."
Com"Refutas"(*Refutar)ou não;uma clara probabilidade se apresenta ao imaginário e/ou na certeza de muitos.
Céticos,"Crentes"ou abertos ao"possível";não importa.
A certeza,não pode compactuar com a dubiedade;caso isso ocorra em sua Plena asseveração,sua consciência,difere de uma realidade existente ou de sua aceitação para com o seu redor.
A sua Mente,pode lhe pregar peças;mas a ilusão de um Medo,Sobrenatural ou não,longe ou em sua casa,pode ser sua sobrevida.)












I-A Síntese das Sombras




Uma noite,com uma chuva torrencial;as luzes que são projetadas pelos postes das ruas,balançam e falham devido ao vento.
Algumas pessoas em suas casas,ou têm sua iluminação cessada,ou têm sua claridade estagnada em uma"fase".
Fraca.
Sem sua ajuda na visão.

Alguns residentes,usam o celular,como uma forma para se locomoverem em seus lares ou o usam como um passatempo.
Jogos ou acesso á internet.

Em um bairro refinado,a família Grimaldi,composto por duas filhas e um belo casal de meia-idade,compartilham a bela sala espaçosa de que possuem.
O uso de aparelhos eletrônicos munidos com a carga da bateria,não difere do comportamento de outras famílias nessa casa.

A Lareira,é a opção criativa que a matriarca,da"dinastia"dos quatro,encontrou como uma forma solúvel e aconchegante para todos.
As meninas,não queriam subir para seus respectivos quartos e ouvirem estrondos de trovões ou o vento"assobiando"em suas janelas.
O casal,também achou que,se subissem aos seus aposentos,além de entediante e de um desapego ás meninas,suas filhas adolescentes,acabariam dormindo em um horário que normalmente,estariam na sala de jantar desfrutando de uma bela refeição.
Ficar todos juntos nesse mesmo cômodo,era a melhor opção.
O Pai,usa o roteador de seu celular para acessar um site de economia em seu computador portátil.
Enxergaria melhor na tela de seu computador,segundo ele.
Seu óculos,"escorado"em seu nariz;com seu olhar por cima de suas lentes caras e quadradas,denotam sua dificuldade visiva no escuro.
Mesmo com o fogo da lareira e algumas velas perto de si.
Estava sentado em uma poltrona,carinhosamente chamada:"A cadeira do Papai"
Podia esticar suas pernas e receber massagens com as vibrações desse caro presente De Lúcia;sua mulher.

As meninas e a Mãe,estão sentadas em um sofá quase ao lado do fogo que as aquece.Cada uma com seu aparelho de celular.
Brincadeiras e comentários sobre postagens em redes sociais,são proferidos por elas.
Há risadas e"negações"de conhecimento ás pessoas em Voga nessas páginas.

-Sabia que terá um Eclipse amanhã?;a caçula Lorena,fizera uma pergunta retórica.
-Será ao Meio-dia.
Mas mesmo assim,ninguém se manifesta.Ou por não dar atenção ou por desinteresse a essa informação.
Afinal,amanhã,seria Domingo.Todos dormiriam até mais tarde.

A empregada,dormira mais cedo em seu quarto;devido seu trabalho,não oferecer maneiras viáveis de executá-lo.
Preparar o jantar na sofisticada cozinha.Onde tudo é elétrico com displays(*mostrador de função em um aparelho eletrônico)luminosos de muitas funções.

-Com tanta"tecnologia caseira",ter um gerador elétrico movido a diesel,não seria um dinheiro desperdiçado para agraciados economicamente;dissera antes de deixar a sala aonde estavam seus patrões.

Angelí,a filha mais velha,propõe á família,que alguém conte a todos,uma história assustadora.
Afinal,estão no escuro e perto de um fogo.
O Patriarca diz:- Estar muito concentrado em sua pesquisa relacionada ás finanças.Não participaria"da brincadeira Familiar".
Porém,a Genitora,aceita o"desafio"de Angelí.
"Seu"Bebê".
As meninas largam os celulares.Focam em Lúcia.
"A bela Mãe" Lúcia;admirada por seus vizinhos e conhecidos.
Os exercícios e os cuidados com a sua pele,atraíam os olhares de homens muito mais jovens do que ela.
Muito mais.
Quem não fosse dessa Família e não estivesse na sala nesse exato momento,se permitiria em ouvi-la a qualquer instante.
Mesmo com os pensamentos direcionados a outras colocações.
Lúcia começa a sua narrativa.
Antes mesmo de seu conto chegar ao clímax,todos ouvem um barulho de vidro quebrando.

-Seria o vento que derrubara algum galho?-Ou talvez,algum utensílio que se usava para limpar a piscina e,que voara na janela?;"pensara o olhar"de Angelo Grimaldi.
-Poderia ser inúmeras viabilidades;prosseguira em seu raciocínio.
Mas viera da cozinha;atestou seu fato dentre ás outras dúvidas.
-FIQUEM AQUI,IREI OLHAR O QUE ACONTECERA;disse"Grimaldi se levantando e pegando seu celular em seu bolso frontal de sua cara camisa social.

Seleciona a função de lanterna em seu telefone e vai em busca das suas respostas.

Se dirige á imensa cozinha.
Na entrada da cozinha,tinha um amortecedor de porta,ou seja,ela se fechava sozinha depois de abri-la.
uma maneira de se manter a privacidade dos convidados aos empregados em jantares especiais.
Também,uma forma encontrada de se conter;a emanação de um cheiro delicioso de comida pela casa.
A sua impregnação;nos luxuosos móveis da sala e em suas encomendadas cortinas importadas.
Ao colocar seus pés ainda no início dessa moderna e tão sonhada"cozinha da Lúcia",agora uma realidade;um Trovão;com um fragor,com um estrépito,o maior que testemunhara esta noite,o assusta e o faz derrubar seu caríssimo celular.
Grimaldi,põe a mão em seu coração e se abaixa para verificar os danos que seu aparelho sofrera antes de prosseguir.
Ao Pegar seu objeto e se colocar ereto novamente,provoca pequenas batidas nos cantos de seu eletrônico;ao ver que a luz não estara quebrada,pois acendera novamente,apesar de sua total capacidade,apresentar uma falha;encaminha a luz para á sua frente.

Um HOMEM ENORME,com aproximadamente,dois metros de altura,com um macacão vermelho,um Pé de Cabra em sua mão direita;faz com que Grimaldi,ao tentar dar um passo atrás,tropece em suas próprias pernas.
O desespero de Grimaldi,se dara similarmente,pela sua visão á Face desse invasor.
Uma máscara de Bode;que parecia ter sido feita com o próprio animal.
Chifres reais e Pelos visíveis;mesmo com a "precária"iluminação do aparelho
Somente a parte da boca desse temível homem,estava á mostra.
Grimaldi,TENTA conduzir-se até a porta da qual entrara.Ainda no chão,tentando seu escape pela forma de engatinho e, no preparo de seu grito,recebe um golpe do Pé de Cabra em sua Nuca.
O Assassino,o arrasta até a porta que lutara tanto em chegar.
A ferramenta desse Homem,ainda está presa em seu cerviz.O corpo de Grimaldi,é arrastado pelo cabo desse instrumento.
No momento que"Ambos"chegam á porta,o assassino coloca seu pé esquerdo na cabeça de Grimaldi,faz um apoio com seu coturno e desvencilha seu Pé de Cabra de sua cabeça.
O som do crânio se partindo,é percebido em um sonido elevado.

"O BODE",utiliza sua"arma",para empurrar a porta da cozinha.Um desdém,é inserido nesse seu abrir.
O sangue pinga no carpete felpudo da sala aonde estavam as desatentas inquilinas.
Angelí,ao direcionar seu olhar para a porta da cozinha,propaga um enorme Brado de medo e desespero.
O assassino vai em direção a elas.
A mãe,o distraí enquanto suas filhas,sobem para algum cômodo superior;seus quartos ou qualquer outro local confiável naquela desesperança de vida.
Angelí,a mais velha,teria que decidir qual ponto de cima,seria seguro enquanto pediria ajuda.

Ao perceber que o alvo desse Monstro eram suas filhas,Lúcia,se coloca á frente do assassino quando ele se dirigia á escada.
Lúcia,o atrasa não permitindo que ele suba.Está dois degraus acima dele.
Quando formula a pergunta sobre o motivo dessa violência e obstinação,recebe o cravar da  alavanca de metal em seu maxilar inferior.
O assassino,puxa seu Pé de Cabra,fixado,ENCRAVADO na mandíbula de Lúcia.Isso faz com que ela,caia aos pés de seu algoz e desprenda o apetrecho outrora preso.
Houve o descolar da mandíbula com a Face da qual pertencia.
Ao acabar sua Necrofilia sórdida e célere,dá continuidade ao seu subir na escada.
A escada,possuía um tapete de largura fina,que se localizava em seu meio e cobria toda sua extensão.
Mas mesmo assim,não era capaz de abafar, os"rústicos"passos de bota na madeira;subindo em direção á parte superior dessa bela casa.





II-O Monstro Que Me Fazia Sorrir



"Dreshga,era a leitura que me ocasionava inspirações e Alegrias"
"Eu sou um Monstro Feliz"

-Fauzer Russám








O Homem para no topo da escada e,liga sua potente lanterna de led.Ela está"acoplada";presa com fita isolante em seu antebraço direito.Na parte inferior.
Tem um breve pensar e continua sua caminhada.
Começa a"atritar",a arrastar,seu Pé De Cabra na parede enquanto prossegue;com a parte superior da ferramenta,o lado da alavanca.
A luz presa em si,chegue seus movimentos.

O som de metal"escorregando"pelos belos tijolos á vista do corredor,produz um som dissonante.
Novamente,interrompe seu andar,agora se encontra no meio desse longo passadiço.
Há uma mesa com flores ao seu lado e,muitos quadros de família na parede.De viagens e de momentos especiais dos Grimaldi.
Em um dos quadros,ele o acerta com a alavanca de metal.O vidro do decorativo"instante familiar capturado";é estilhaçado.

Tanta certeza e ousadia de sua parte,se originava de um corte na linha telefônica e um bloqueador de celulares que deixara na cozinha.
O bloqueador,estava em cima da bela geladeira de Aço Escovado.Atrás dos"lindos potes"de vidro que guardavam os saborosos biscoitos Suíços.
Uma embornal,também fora deixada em frente á geladeira.
As meninas,não teriam a menor chance de ouvir alguém batendo em sua porta,incumbido com a tarefa de ajudá-las após um telefonema de socorro.
O quintal da família,possuía,muros muito altos,os vizinhos mais próximos,se situavam na esquina desse elitista e recente bairro ainda em construção.
Ter um terreno ali,era para poucos,mas quem o tivesse,ou ainda estava construindo,ou permanecia com seu projeto ainda no papel dessa tão sonhada moradia.


A empregada que dormira cedo;acorda.
Ao ver que ninguém da família estava na sala,chama o nome de seus patrões no começo da escada.Sem resposta,pega uma vela e sobe ao piso superior.
Ainda no início do corredor,enxerga uma luz se apagando.
Enquanto se dirige a ela,à luz,pisa com seus chinelos de pano,nos vidros quebrados no chão.
Ao constatar um pequeno corte em seu pé,levanta sua cabeça;pois vira a luz novamente,oscilando em sua direção.
Ainda sem completar um total"levante de sua visão",recebe uma agressão da maciça alavanca em seu lóbulo temporal direito.
Cai ao chão e seu corpo;demonstra espasmo"Pós Mortem".
Darkno,esse era nome autointitulado por Fauzer Russám,após seguir o Dreshga,um livro"escurecido"sobre sacrifícios e mandamentos Tétricos.
Tirar o corpo dela dali,assim como fez com o de Lúcia e de Angelo,era sua primeira medida e ensinamento.
"Escondê-los".
Anteriormente,deixara os corpos, atrás de um"esmerado"sofá na sala,agora;deixara o corpo de Rose,a empregada,na banheira;perto da onde estava.

Com o claro pensamento que,as meninas,poderiam estar somente em seus quartos,vai de porta em porta.
Seria,um quarto de cada menina e,o último,do assassinado casal.
Após suas tentativas Nulas,constatara,que o quarto do casal estava trancado.Esse era o certo.
Lúcia,sonhava em ter uma porta blindada;na sala,na cozinha e nos quartos;esse,era o gasto do qual estavam se programando para o ano que viria.Infelizmente,para as meninas,não houve tempo dessa melhoria.

Darkno consegue abrir a porta com uma certa dificuldade.A madeira cara,era vigorosa,sólida.
As meninas que gritavam e choravam durante essa investida de Fauzer,são encontradas por ele, embaixo da cama do casal.









III-A Noite Sintética





"Eu faço a minha noite"

-Fauzer Russám








Após ao amanhecer,ainda chove.Está mais fraca,mas ainda é constante.
As cortinas do quarto,deixam a claridade entrar um pouco.
As meninas estão amarradas com uma fita prata resistente e uma abraçadeira plástica.
Estão em cima da cama.
Não há chance para Fuga.Nenhum adulto;seria capaz desse feito.
Suas roupas"descoladas",foram trocadas por suas camisolas.
Darkno,está em busca de cobertores escuros.Iria"lacrar"o quarto da luz natural do dia.

Angelí e Lorena,choram muito.Estão com suas pernas e punhos machucados;devido ás tentativas de se soltarem.
Quando Darkno voltava ao quarto,elas davam fim ás suas investidas de soltura.
Após conseguir,pregos e martelo,Darkno,veda todo o quarto de uma possível entrada de claridade.
As"pobres meninas",contêm suas lágrimas em muitos momentos.
Nenhum dos três,dormira até o momento.
Darkno,usa uns comprimidos"desconhecidos"para se manter acordado.Mas as meninas,dão sinais de um cansaço "torturador".

Meio-dia,seria o Eclipse,esse seria o horário limite para o  propósito de Darkno.Seu escopo.
Todo o seu plano de invasão e motivação;tinha essa"base Astral".
Darkno,acende seis velas enormes;se abaixa e,fica de joelhos perante elas, as meninas,amedrontadas,intimidadas;retira suas mordaças e lhes dá um pouco de água.
Pede a elas;-quem não gritem.
Elas estão sedentas.
Apesar do Horror que sentem e sentiram;de tudo o que passaram até esta ocasião,as jovens,pensaram que tiveram um momento de amparo.Mas não.
Ao terminar de suprirem suas"aridez"corporal,Darkno,pega uma faca que está presa á sua perna esquerda.
Pega o pulso de cada uma e faz um"desenho com corte".Um desenho de um Pentagrama.

O sangue que escorreu delas,provocada por uma faca de ponta fina,é colhido por Darkno.
Com seu dedo indicador,ele passa ao redor de sua boca.No"fragmento"da máscara de Bode,a que deixava sua boca e queixo á mostra.
Nenhuma delas,haviam visto seu semblante até esse dado momento.Mas nessa apropositada ocasião,ele a retira,sua máscara,de seu rosto.
Apesar dela ser aparentemente pesada e dificultosa em sua remoção,ele a põe em cima da escravinha do quarto;á qual Grimaldi,sempre usava para trabalhar.Enquanto seu "escritório de casa",não tivera a chance financeira de conclusão.
As adolescentes,se surpreendem;ao"descortinar"do rosto de seu Carnífice.
Um homem,"maduro";mas bem-apessoado.Mesmo em uma luminescência desproposital;esse fato,é discernido do que se imaginara embaixo de uma anômala Face de animal.Um Bode.
Ambas,sentiram;tiveram,esse pensamento ao vir.Alguns segundo,são perdidos nessa observação.

Fauzer,as atraiu como mulheres.

Todos os itens de que precisava para esse "ápice",estavam em sua embornal que buscara na cozinha.
Outrora,deixada lá .
Fauzer,retira agora de sua bolsa,um livro que apresenta;uma"aldraba real"em sua capa.
Não era um desenho ou uma ilustração em Alto-relevo;mas sim,uma aldraba;ampla,grossa,que pesava ainda mais esse enorme Grimório.
Denotava,uma Face Demonial em seu envoltório.
A parte de trás desse livro,tinha a continuação dessa fisionomia"peculiar".
Fauzer,também coloca uma vestimenta;um manto negro com um capuz.
Antes de abri-lo,o livro,ele"umedece"a aldraba com sangue e pede"permissão"para com sua abertura.
"Cai"de joelhos e começa"um murmurar".
Angelí e Lorena,apenas observam.
Mas com o desalento"em seu cume",Angelí o "confronta".
-O QUE IRÁ FAZER CONOSCO?SEU LOUCO! 

Fauzer levanta a sua cabeça e responde com;
-shhhhhhhhh

 
As meninas,começam a chorar novamente.
Fauzer,começa a escrever em seu "Livro".Faz anotações."Pareceres",pensamentos e observações.
Era chegado o momento;o Eclipse,começara a se anunciar.
A faca de ponta fina,agora fora trocada por uma adaga com uma representação da cabeça de Bode em seu cabo.
A extensão desse punhal,equivaleria ,a um antebraço de adulto.
Sua largura,também seria equiparado a esse exemplo.A essa descrição comparativa.

 Fauzer,corta a abraçadeira que prendia uma das meninas na cabeceira de ferro da cama,retira a caçula,Lorena.
A leva para a cozinha;mesmo com suas tentativas de não aceitar sua retirada de perto de sua irmã.
 A cozinha,também está com sua claridade"ocultada".
Fauzer,a coloca em cima da mesa;a "bancada ",está com um desenho em vermelho;de um Pentagrama.
Aos berros e com um esforço Bravio,não consegue obter um resultado a seu favor.
Seu desvelar,propiciou a ela;Fraqueza em sua luta. 

Angelí,ouve um grito ensurdecedor vindo da cozinha.O de sua irmã.
Claramente alto; mesmo nessa distância da qual estara. 
Com uma tentativa sobre-humana,um estímulo,um vigor desconhecido por ela até esse" ensejo";consegue soltar um dos seus braços.
A maligna circunstância,fizera,ela ignorar a dor de seu corpo .O ferir-se nesse "desamarre".
 Descalça e de camisola,Angelí não vai á cozinha.Vai á sala.
Chega diante da Lareira  e,pega um" atiçador" de ferro,a que tinha um gancho na ponta ,á qual seu Pai, o usava para mexer a lenha enquanto queimava.

Sobe novamente ao quarto.Pega a  fita prata que estava na bolsa de Fauzer.
Segura o atiçador da lareira em sua mão direita,começa a enrolar a fita;da mão até um pouco acima de seu pulso.
Essa"arma",não se soltaria tão fácil de meu corpo,pensara Angelí.
Mesmo em uma luta;concluiu
Angelí,vai á proteção de sua irmã.
Ao entrar desapercebida na cozinha,ela testemunha sua irmã ,quase morta.Esse fato de sua ainda vida,é seguro e concreto,pois quando andava nas pontas de seus pés em direção á sua irmã Lorena e Fauzer,vira ele em cima dela;cometendo um ato deplorável.
Mas Lorena,direcionou seu olhar a ela;Angelí.

Com um grito de ódio para com a abominação presente,acerta Fauzer com o atiçador,em sua cabeça.
Mesmo deitado em cima da mesa com a caçula e,sangrando muito,ele se levanta.
Não está "apropriado"para a visão de uma doce jovem.
Ao  tentar tirar o que estava na mão de Angelí,recebe outro golpe,agora na garganta.

Fauzer cai ao chão e, enquanto perde muito sangue,mostra á Angelí,seu livro.
Aponta para ele.Se encontrava em cima da pia da cozinha.
Ela "termina" com qualquer chance de comunicação entre os dois.
Angelí ,Pega sua irmã e lhe ajuda com seus traumas e lesões.
Alguns dizeres de ;"manifestações"e Fé;São"insistidos"por Angelí.
Está com Lorena em seus braços.Ambas estão de joelhos no chão.Há um choro de vitória;da conquista da vida.
Após o fim desse pesadelo;Vão para a pia da cozinha e bebem toda a água que conseguem.
 Logo em seguida, juntas,saem pela porta da frente,mancando e com fortes dores.
Conseguem o socorro na rua.Ainda estavam andando abraçadas.ESGOTADAS.
O eclipse,estava dando seu Adeus nessa jornada de"nascimento".






A ingênua Lorena,ou por estar muito ferida,cansada ou distraída,não percebera,que naquele dia que segundo os tratamentos psicológicos,pagos pelo Estado e pelos parentes,deveriam  conviver com essa tragédia,aos poucos;Angelí,pegara o livro e o escondera.
Dias depois,ela o leu.


Fauzer,era seu Pai biológico.Estava tudo descrito.Seus segredo e motivos.
 Sua mãe ,Lúcia,se casou com seu Pai,Angelo Grimaldi,mesmo estando grávida.
Ela era noiva de Fauzer,mas o deixou ,com a promessa de uma vida melhor que se anunciava
Grimaldi,sempre soube de tudo isso.
Fauzer,soube sobre um provável resquício de abuso de Grimaldi para com Angelí.
Esse seu conhecimento,de Fauzer,fora Lúcia que contara a ele,em sua última visita  na cadeia.
Fauzer,jurou vingança durante todos esses anos.

Sobre o abuso,Angelí,o permitia.
Lúcia, não sabia ao certo;o real ou o imaginado por ela.Nunca houvera constatações de sua parte.
Seu marido,alegava ciúmes de sua parte.

Mas Angelí,salvou sua" irmã". Retribiu o amor de todos
Mesmo não tendo o perigo de morrer naquela fatídica noite.


O que mudaria se soubesse de toda a verdade?





By Santidarko