terça-feira, 18 de outubro de 2016

Afagos Imorais

O arrojo para com o almejo de seu desejo realizado,surge com um arcar maturado perante a vida,Ou,com o Medo de sua Finitude sem á sua experimento sensação?
O ostracismo dos sentimentos impuros,é medo ou prudência?

-Teodoro Milleno








I-A Pequena Cidade Da Injúria




Na classe do Curso Noturno de Letras da Universidade particular,"Hérpita Lanuse",há quarenta alunos.Nas cinco fileiras existentes na sala;da esquerda para a direita,com a visão frontal da lousa para a sua referência de localização,Jéssica Kniss;ocupa a terceira cadeira da frente.É a mais próxima á mesa da professora Joana Matsugawa que amestra Sociolinguística.
A Professora Matsugawa:com seus lindos cabelos negros sempre atados ao coque e,constantemente com sapatos Scarpin sem Salto alto,saia social cinza e um Blazer feminino de um vermelho gritante;retira seu óculos e o deixa"pendurado"em seu pescoço pelo cordão.Se desvincula da mesa da qual"nunca"se sentara;a todo o momento,se escorava nela de frente á turma;começa a andar entre os corredores de alunos.


Jéssica,tem o seu momento:"fora da visão"Tutorial."Um ar Fresco".
Isso,não significara,uma recusa da presença de sua Mestre ou de que se sentisse"sufocada";mesmo porque,se esse fosse seu dilema,não se"apropriaria"do lugar mais próximo á professora.
Mesmo com seu "problema de visão".
Mas,esse"doado"momento,o usufruía,como um adendo ao ensino.O momento de encher seus pulmões e,"libertá-los com imenso suspiro.

Á sua segunda visão,talvez;esse gesto,lhe propicie/te propulsione,a um Salto-alto de seu Ego ou a uma saia-justa do qual era constantemente obrigada a enfrentar.
Um desabafo ou um"grito silencioso"de Jéssica.
Circunspecto equivocado de seu discernir mais apurado.
TODO Aulista,por mais"fiel"que seja,ás vezes,necessita de um átimo de segundo.

Faltam alguns minutos para o término dessa aula e para todos irem embora para as suas respectivas casas.Ás onze horas, para ser exato.
Jéssica apoia seu maxilar em sua mão direita e começa a devanear:

-Sempre quisera ter uma vida comum;se formar e,arrumar um emprego em sua área.Ser Professora.
Após sua estabilidade profissional,seguiria ao provável,ao comum a todos;à decisão mais elementar de um Ser humano.Se casar.
-Filhos?
Se apoiaria no que o destino"não lhe desse";ou o alvitre do tempo,lhe "indicasse".
PRIMEIRO,gostaria de conhecer lugares e pessoas.Gastar o dinheiro que ela e seu futuro marido conseguissem; trabalhando arduamente:-Em "Prazeres" do casal.
Ter a responsabilidade de criar um "Ser",sem ao menos ter desenvolvido seu real padrão de comportamento;seria
repentino e imprudente.sem planejamento.
Um descuido a quem sempre se"Policiou"incansavelmente.
Com seus vinte e um anos,pensar em uma Prole antes dos trinta e um;em grau nenhum,isso estara acordado com consigo mesma. 



Teodoro,conhecido por Todos que se relacionavam com ele,dentro ou fora da Faculdade,como apenas"Dóro",toca no ombro de Jéssica.
Assim como ele,Jéssica,também era apenas chamada por um vulgo.A de "Kiss",Mas em seu caso,apenas na Faculdade.
Uma alusão e brincadeira para com seu sobrenome;isso ocorreu na primeira noite que ela e todos,ingressaram no curso.
Enquanto todos se conheciam naquele primeiro"dia",entre as apresentações e as chamadas dos Catedráticos,as inúmeras perguntas da pronuncia correta de Kniss,coincidentemente,ela estava com a camisa dessa Famosa Banda.
"Resumir"e"aprimorar"seu Sobrenome por parte paterna,foi divertido e tido como uma"quebra de gelo"entre seus colegas.
Afinal,uma menina visualmente agraciada por uma excelente condição financeira;com um sobrenome garboso, "forasteiro"e,seu carrão que chegara no estacionamento,provocaria seu distanciamento involuntário entre os demais.
Mas,mesmo com a sua disposição em atender e conversar com todos,não conseguia se desarvorar das sempre e existentes más línguas.

-uma Professora que será rica.
-Vai ensinar Moda aos seus Futuros Alunos.
-vai contar suas viagens exóticas em salas de professores.
-Vai mudar de curso em dois anos.


Dóro,apesar de ser uma pessoa simples e carismática;"nas Entranhas dos Banheiros",era chamado de criado-mudo.
Pois saía de sua república durante a madrugada,para atender uma"dificuldade"ou um simples Chamar de Kiss.
Sempre com um buzinar em frente á sua casa;ele entrava no carro de Kiss e saíam.Muitas vezes;ele alegava que dormira no belo apartamento que ela Herdara de seu Pai.


Murat,com quem dividia a casa com Dóro,entre outros,apesar de não estar no mesmo curso que o seu,proclamava comentários,muitas vezes,maldosos;pelo pátio aonde se encontravam os veteranos e os calouros de outros cursos.Sempre o mesmo assunto e sua visão sobre esse"relacionamento".

-Será que"rendendo" pelo menos?
-Se eles não namoram,e Dóro não é Gay,o que acontece entre eles?
-Será que os pequenos presentes que ele ganha ás vezes,é por algum"serviço".
-Eu estudo em uma Instituição"requintada",mas sou bolsista com orgulho.Não me"dobro"a"eles".-Ás sua vontades e descartes.


Diante de Kiss;todos os outros alunos,de sua classe ou não,a cumprimentavam e elogiavam sua boa Vontade.
De dar carona para irem embora em noite chuvosa.Emprestar uma blusa por ficarem no ponto de ônibus,pois em algumas noites,seu carro ficara lotado com outros colegas.
Por dar ingressos para uma exposição.
Um convite Vip para uma Boate da Região da Universidade(Localidade Nobre).

E Kiss,sequer pedia algo em troca.
Nada de cola em Testes ou favores devidos dos puxa-sacos.
NADA.


Talvez por isso,Dóro,levasse a fama de seu Vassalo"Áureo". Predileto por algum motivo.
Mas presentes extravagantes,ou um adjunto financeiro a ele,não provinha dela.
Nunca Houve.













II-A Turista Emocional





Quando kiss se vira para atender o chamado de seu amigo Dóro,tocara o Sinal.
Enquanto todos se levantam e cumprimentam a Professora Matsugawa com um:-ATÉ MAIS;eles ainda permanecem sentados.
Dóro se prepara para dizer algo a ela,mas com os colegas de classe,passando por eles;com comprimentos de mão,"dizeres rotineiros",interrupções com palavras direcionadas á Kiss,ele apenas pega seus pertences e se levanta.
Kiss,também age da mesma maneira.
Todos vão em direção á saída.
Dóro,ao andar pelo corredor com seus colegas,começa a ter novamente aquela sensação inexplicável.
Ouvir uma música que somente ele deferira.
Ele não a tinha em seu celular e,ninguém ao seu redor,estava com algum dispositivo que emanasse essa canção.

One Headlight- The Wallflowers,era tão vívido e nítido em seus ouvidos.
Por alguns instantes,há um desfoque visual em sua percepção para com o ambiente.
Algumas pessoas,parecem falar uma Língua desconhecida.
Ás vezes,similarmente,sente,que alguém o puxa pela mão.
Dóro,tem a sensação,que enlouquecera.

Dóro se senta em um banco.Precisava se recompor.
Kiss,continuara a andar,estava entretida com seus colegas;mas ao perceber a"omissão"de seu amigo em um de seus comentários "hilários",olha para atrás e vai em sua direção.
As outras pessoas desse "agrupamento",apenas se despedem de Kiss com um:-Nos falamos depois ENTÃO.

Kiss se senta;coloca seus livros e cadernos em cima de suas pernas.
Ela estava com uma minissaia preta;uma"rasteirinha"que exibiam seus lindos e perfeitos Pés.
Uma camiseta branca personalizada por ela;com"cortes específicos"que deixavam seus polpudos seios á mostra de um certeiro desejo.
Pergunta a Dóro,sobre o que acontecera.
Dóro está ofegante,mas percebera cada detalhe de sua vestimenta.
Antes,não tivera a chance de a admirar tão"profundamente";pois na sala ela ficara sempre sentada e,ele atrás;no intervalo;ela"sumira"com "as meninas".
Dóro,pega no pulso direito de Kiss.

Diz,não aguentar mais a sua carência á sua pele.
Macia e Branca.
Kiss se levanta e se desvencilha do segurar de Dóro.
Começa a andar em direção ao estacionamento.
Um pouco antes de chegar em seu carro,kiss ainda olha rapidamente para Dóro.Ao perceber que Dóro a seguia com seu olhar,ela vira rapidamente sua cabeça.Seus cabelos loiros acompanham seu girar repentino.
Dóro ainda fica sentado por alguns segundos.Estava"batendo"em sua cabeça e remoendo seu confessar.
Se autoxingando mentalmente.
Mas sente,que Kiss,o usou de forma sentimental.
Sexualmente,seria a descrição correta.Mas com seu despertar á paixão,alguns sentidos ficam confusos.
O que estava acordado entre os dois,parece não haver mais validade para ele.
Um arrependimento de sua confissão,não houvera;mas talvez,se porventura,ficasse com seu Afeto"escondido",obteria outras chances de encontros Carnais.
Isso sim,o arrependera intensamente.
A situação,agora;-Seria imutável?











III-A Fatura do Passado




Teodoro,tinha apenas dois anos de idade quando sua Mãe,Márcia,se separou de seu Pai.
Após ao seu nascimento,Márcia,tentara de todas as formas cabíveis á sua dignidade que a sua união,prosperasse ou tivesse um salvamento"Divino".
Sem sucesso.
Em uma dia passeando com o pequeno Teodoro no Shopping,Márcia,tivera uma dificuldade em levar Teodoro no colo juntamente com as compras que fizera em algumas lojas.
"Presentes"para ela e para ele;um ato ou gesto de sua parte;para"abafar"as tristezas de uma jovem Mãe na Época do Natal.
Ao derrubar alguns pacotes quando tentava abrir seu carro,subitamente,teve a ajuda de seu primo,Amon,do qual não vira,há MUITO TEMPO.
Nesse encontro surpresa em um estacionamento,entre lembranças e"contos familiares",isso ocasionou aos dois,um encontro posterior.

Os dois,não"saíam"com uma frequência dinâmica,mas em alguns períodos,houvera um "entrelace de suporte".
A necessidade da"fricção"dos corpos quando;eles se compreendem amorosamente.
Em três meses,Márcia engravidara novamente.

A relação entre os dois,nunca estivera em uma afirmação de compromisso.
Apesar desse desencontro de corações,Márcia,amava Amon,intensamente.Era o amor mais forte de que sentira até hoje.
Em seus planos,guardaria esse afeto indescritível,para um "momento certo".
Não importara,quando tempo tivesse que acomodar esse Amor em seu peito;quando Amon estivesse"pronto","ele"estaria á sua espera.
Márcia,suportaria longos anos guardando-o em remanso .

Na Literatura e em Filmes;dizem:"-Que o coração de uma mulher,é um Oceano"

Em contrapartida aos nossos corações Masculinos;não passam de meros rios pequenos e rasos.
A necessidade de uma travessia certeira e eficaz.Homens,não esperam para remarem em águas calmas.
Agitação Amorosa,é sinônimo de DESERTAR.


Márcia,agora,enfrentava outras dificuldades.Financeiras e de sua disponibilidade para com o seu trabalho.

Amon,mesmo ainda começando sua pequena e modesta Transportadora,se propôs a ficar com a sua filhinha.
Márcia,mesmo com sua âpedeuta Materna,aceitou com Dores e Prantos.
Amon,com sua boa-andança em gerir seus negócios,enriquecera,quando sua filha,completara dois anos.
O encontro entre Mãe e Filha,Irmão e Irmã,ficou cada vez mais escasso.
Amon se mudara para o exterior e se casara na Itália.
Márcia,queria o melhor para a sua Filha.Mesmo não a vendo.Os"relatórios"semanais de Amon,a fazia sorrir.
As belas novidades.
Amon,até enviara um computador para um contato Facial entre as duas.

O vento e o tempo,"RUGEM".


Nessa etapa de aproximação por parte de sua Irmã,Teodoro,estava cursando um colégio militar.
Estava com seus dezesseis anos.Sabia das novidades através de sua Mãe quando o visitava;"Nos Domingos Abertos"para familiares.

Teodoro,começa a mostrar seu descontento no seguimento de uma carreira Castrense quando conversava com a sua Mãe nessas suas visitas consentidas.











IV-Fluídos Crapulosos





Ao sair do Exército,Dóro,continuara a presenciar sua Mãe,suspirar por Amon pelos cômodos da casa.
Fotos ou cartas.Sempre a Flagrava no sofá da sala ou em sua cama,fumando e bebendo com a sua"caixinha de lembranças".
Toda noite,desde que era uma criança,um ato corriqueiro de sua parte.
"Sempre"após ao retornar de seu Trabalho,Márcia,tinha sua nostalgia amorosa."Sua Sessão";segundo Dóro.
Márcia,teve outros relacionamentos,mas a Esperança;......AH A ESPERANÇA!
Em um mês dificultoso,Márcia,enfermara.
Ao saber desse infortúnio,Amon,mandara sua filha de volta ao Brasil.
Segundo ele,era o momento de uma convivência entre os fortes laços desatados pela vida.
Uma menina de Dezoito anos,merecia conviver com a sua Mãe.Era um período de afirmações e de"alicerces";completara Amon.


Um dia,ao chegar de seu trabalho para almoçar em casa,Dóro,conhece a sua Irmã.
Dóro,tinha esse costume adquirido,de voltar para casa no meio do dia,em fator da"indisposição"de sua Mãe.


A bela e"famosa"Jéssica Kniss,provocara outros sentimentos.
Um Amor germano,ficara explícito,de que não era.

Dois meses aguçados para com o impróprio.
Com a presença de Jéssica,Márcia,se recuperara de sua mazela.
Dóro,deixava de ir ao seu trabalho e de ir em sua Faculdade de Engenharia,somente para ficar a sós com Jéssica em sua casa.Sua mãe Márcia,tinha compromisso com seus alunos.Sempre voltaria á noite.
Quando sua mãe chegava em casa,achava essa aproximação dos dois,era mais do que normal.
Em uma noite,sentada á mesa da cozinha,tomando seu café,Márcia,escutara alguns risos e uma onomatopeia que caracterizava um beijo ardente.
Mas ao perceber sua insensatez,Márcia contesta sua sanidade.
Era uma tarde de Domingo,quando Márcia recebera um telefone desesperador.Ela caíra ao chão em razão de uma forte vertigem.
Amon;Falecera.

Jéssica,se aproxima ainda mais de seu Meio-irmão.
Ela não ficara sem um apoio de pecúlios.Amon,tinha um testamento em seu nome.
Se tivesse congruência em seus gastos,ficaria bem para o resto de sua vida.
Jéssica,resolve mudar para o belo apartamento que Herdara.
Márcia,decide ficar em sua casa.Dóro também acata a decisão de sua mãe.
Nunca sucedera um interesse monetário após aqueles tristes dias.

Dóro,sempre"visita"a sua Irmã em seu apartamento.
Jéssica,conta a Dório,após ao expelir de fluídos amorosos,que;algumas coisas deveriam mudar e,outras;deveriam cessar.
Dóro,ao entender o segundo ponto de sua colocação,diz á Jéssica;que tenha a sua mente aberta;pois no começo da civilização moderna,o amor entre irmãos,não era uma conjunção pecaminosa ou imoral.
A sociedade,que nos havia ditado regras religiosas e de caráter familiar.
Eles,eram:meios-irmãos.
O amor,mesmo carnal entre"aberrações",era"supremo"

Uma dádiva Sincera e pura.Nunca Houvera apenas um "ato mecânico"ou de prazer mundano.
Jéssica,se levanta de sua cama . Se veste com uma minissaia preta,uma rasteirinha e uma camiseta branca personalizada por ela.

Ao se sentar na cama,coloca alguns livros em suas pernas,pede a Dório;deitado ainda Nu em sua cama,que sente ao seu lado;diz que começará a administrar de perto,a Faculdade que seu Pai;do qual era acionista majoritário,que aliás,colocara o nome de sua Mãe,avó de Jessica,e iniciará também ;o curso de letras.
Será professora como a Mãe de Ambos.
Dóro,relembra a ela,que também,está mudando sua vida.Está morando em uma casa com quatro amigos ;,  e logo ,terá um dinheiro guardado.Mesmo antes de terminar sua Faculdade;tivera ofertas de emprego.
Nunca contara aos seus amigos,que eram meios-irmãos.
Tudo poderia dar certo,se Márcia desconfiasse de algo profano,a Tranquilizariam com desculpas de negação.
Dóro,a segura pelo pulso.
Kiss se levanta e se desvencilha do segurar de Dóro.
Jéssica,tem outros Planos.Educadamente,pede a Dóro,para se retirar.Não a procurar por um longo tempo.
Dóro se veste e vai embora.

Foram noites terríveis para Dóro.
Sempre que escutava uma buzina perto de sua casa,na república;pensava ser Jéssica o esperando.
Saía na rua correndo,ás vezes,somente com suas roupas íntimas.Tamanho era sua espera e saudade.
Após uma semana de espera,Dóro pega seu celular e vai em direção a um ponto de ônibus.
Com seus fones de ouvido,começa a ouvir;One Headlight- The Wallflowers.
Era onze horas da noite.Ao ver o seu ônibus se aproximando,Dóro se prepara para fazer o sinal de parada ao coletivo.
Sem perceber,em sua frente,"cortando"a rua na transversal,vindo de um cruzamento que,tinha o destino certo de seu ponto ,um motorista bêbado o atropela.
Invadira a calçada.
Apenas Dóro estava nesse ponto.


Um ano após o incidente,Dóro;ainda permanece em coma em um Hospital particular.
Sua irmã Jéssica,é quem custeia cada procedimento necessário para seu esperançoso recuperar.
Jéssica,sempre "conversa"com seu irmão em suas visitas frequentes.

Dóro,está na classe com Jéssica,convive com ela.Assiste a aula da Professora Matsugawa
Se pergunta,por que não ela nunca retira a roupa de que ele mais gosta;mesmo ela estando brava com ele.
Quando ela se distancia dele,aquela música,o persegue.
Seus amigos de moradia,sempre o questionam da relação entre os dois.
Dóro,sempre aguarda o buzinar de Jéssica em frente á sua casa.
Mesmo com alguns entraves,tudo dera certo em sua vida.















By Santidarko

Nenhum comentário: